Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 29 de março de 2008

Os caminhos do Estado de Israel (Arnaldo Niskier)

Os caminhos do Estado de Israel

Arnaldo Niskier
Integrante da Academia Brasileira de Letras e presidente do CIEE/RJ

Há muitas razões para que sejam comemorados condignamente os primeiros 60 anos da independência do Estado de Israel, em que houve a mão brasileira do chanceler Osvaldo Aranha. Uma visita extensiva ao país, como acabamos de realizar, permite uma série de observações que, de longe, se tornam menos perceptíveis, qualquer que seja a religião do observador. Berço do judaísmo, do islamismo e do catolicismo, sempre haverá razões e esperança de que ali se estabeleça uma paz definitiva, para benefício dos povos respectivos.

O Estado de Israel, nascido em 1948, sempre se destacou pelo grande apreço ao desenvolvimento científico e tecnológico. O seu primeiro presidente foi o cientista Chaim Weizmann, que citava uma frase lapidar: "Devemos construir uma ponte segura entre a ciência e o espírito humano". Assim foi criado o Instituto Weizmann de Ciências, uma das 10 maiores instituições de pesquisa do mundo, que tivemos o prazer de revisitar, em Rehovot.

Conhecemos incríveis projetos, como os que se desenvolvem em telecomunicações, software, tecnologia celular, agricultura irrigada (por gotejamento), transplantes de órgãos, células-tronco embrionárias e a milagrosa cura da esclerose múltipla, além de transplantes de órgãos. Não é de se estranhar, pois, que em 60 anos a única democracia representativa do Oriente Médio tenha sido capaz de ganhar nove Prêmios Nobel, em áreas diversificadas, como a matemática, a física, a química, a literatura – Agnon, que só escrevia em hebraico – e a consagradora vitória no Prêmio Nobel da Paz, com dois dos seus grandes líderes, Menasche Begin e Itzhak Rabin.

Passa pela nossa lembrança a primeira visita feita ao IWC, em 1967, logo após a Guerra dos Seis Dias. Conversamos longamente com o matemático Chaim Pekeris, colaborador de Albert Einstein, na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, e que fora a cabeça responsável pela construção do computador Golen. Claro, na época, era uma imensa máquina, pesada, mas que continha os princípios norteadores do que viria a ser a maior conquista tecnológica dos nossos tempos.

Há outras particularidades que devem ser lembradas e com as quais travamos contato: Israel trouxe da África 60 mil pessoas para viver em liberdade, e não como escravos. São cidadãos comuns, empenhados, como todos os 5,8 milhões de israelenses, na conquista do progresso. Aliás, comenta-se muito, naturalmente com orgulho, que o país construiu 15 novas cidades para levar o progresso a regiões como Carmiel, que também visitamos.

Há mais de 1 milhão de árabes vivendo em Israel. Têm direito ao mesmo ensino gratuito oferecido a todas as crianças dos 5 aos 17 anos.

Israel ainda não é um paraíso, os professores reclamam dos salários, o orçamento absorve 16% com as despesas de segurança. De olhos voltados para a tradição, com uma arqueologia de primeiro mundo, o país vê o futuro com muito otimismo, calcado num crescimento anual de cerca de 4% do PIB. A paz, para o seu povo, por isso mesmo, é vital.

Extraído de:
Jornal do Brasil, Internacional, em 29/03/2008.

Nenhum comentário: