Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Ao longo de 60 anos, a sociedade israelense viveu três rupturas

De Gilles Paris


No decorrer dos seus 60 anos de existência, a sociedade israelense transformou-se consideravelmente. Hoje, a imigração, que foi inerente ao seu desenvolvimento, está em vias de esgotamento. Israel converteu-se a uma economia de mercado das mais clássicas. Finalmente, as provas das tensões sociais e políticas acabaram sendo fatais para o "homem novo" que deveria acompanhar o crescimento do Estado judaico.


Um país fundado pelas "aliyas" sucessivas

O Estado judeu tinha como objetivo reagrupar em sua terra a maior parte possível da diáspora judaica. Este objetivo dos dirigentes sionistas foi alcançado apenas parcialmente (cerca de 40% dos judeus existentes em todo o mundo vivem atualmente em Israel).


Desde 1948, a imigração sempre foi realizada em ritmo irregular. Ultimamente, ela vem apresentando uma diminuição constante, passando, em 2007, e pela primeira vez ao longo de vinte anos, abaixo da marca de 20.000 chegadas por ano. Esta diminuição pode ser explicada pelo fato de os "reservatórios" que constituíam as diásporas dos países da ex-União Soviética estarem atualmente esgotados, ao passo que as diásporas judaicas mais importantes (Estados Unidos, França) se caracterizam por uma imigração reduzida e muito seletiva. Por exemplo, apenas 2.659 franceses de confissão judaica optaram por se instalar em Israel, em 2007.


O crescimento constante da população (que foi multiplicada por oito no espaço de 60 anos) se baseia daqui para frente numa fecundidade cuja taxa é variável, dependendo dos segmentos de população (entre os ultra-ortodoxos, por exemplo, ela é muito elevada).


Entretanto, esta taxa em nível nacional diminuiu de 3,9 filhos por mulher, durante os anos 1950, para 2,8 em 2005. Como resultado de um efeito de convergência, a taxa de fecundidade na população árabe israelense, que por muito tempo foi uma das mais elevadas do mundo, diminuiu da mesma forma, até se estabilizar em 4 filhos por mulher a partir de 2005.


Uma nação impregnada pelo coletivismo

Caracterizado, desde a sua origem, pelo funcionamento dos "kibutz" e pela parte importante da sua atividade dedicada à agricultura, Israel foi se convertendo progressivamente à economia de mercado. Neste processo, o Estado e a principal central sindical, a Histadrout, que eram inicialmente instituições essenciais para o seu funcionamento, foram se desengajando em relação à economia.


No decorrer dos últimos anos, a parte das despesas públicas não parou de diminuir, uma tendência que também se repercutiu nas despesas sociais. Daqui para frente, a economia israelense está fortemente integrada à economia mundial. Aliás, os investimentos estrangeiros no país alcançaram o valor total recorde de US$ 14,3 bilhões (cerca de R$ 24 bilhões) em 2006.


Esta economia se caracteriza atualmente por um forte crescimento (de 5,3% em 2007), enquanto a taxa de desemprego subiu em 2008 para 7,3%. O crescimento israelense tem sido dinamizado, entre outros, pelo setor das novas tecnologias (mais de 10% do PIB), o qual passou a ocupar o lugar que havia sido atribuído, 60 anos atrás, à agricultura. Esta liberalização também gerou o seu lado negativo: praticamente um quarto (24,7%) da população israelense é considerada atualmente como pobre. A pobreza aumentou em 20,3% desde 2002.


Um "homem novo" ancorado no seu território

Com a sua atuação decisiva no contexto do desenvolvimento do Estado, e o seu status diferenciado em relação à diáspora, o "sabra" encarna o israelense ideal, ao mesmo tempo agricultor, combatente e laico. A grande massa dos sabras constitui a coluna vertebral do Mapai, o ancestral do Partido Trabalhista, que monopoliza o poder. Este modelo vai se esgotando, depois dos questionamentos sucessivos do modelo de integração privilegiado, a partir dos anos 1930 até os anos 1960; e em conseqüência da contestação "sefardi", que encontra uma tradução política em 1977 com a vitória do Likoud, que introduziu a primeira alternância política em Israel.

Durante os anos 1970, depois da conquista militar da Cisjordânia e de Gaza, o movimento da colonização consegue reencarnar, nos territórios palestinos, o espírito pioneiro e o ideal de "nova fronteira". O processo de paz de Oslo, a partir de 1993, passou a questionar o modelo encarnado pelos colonos. Além disso, a retirada unilateral de Gaza, em 2005, que evidenciou a marginalização deste movimento no âmbito da sociedade israelense, desferiu um golpe fatal neste ideal.


Paralelamente aos conflitos que se sucederam no decorrer da sua história, a conversão por necessidade, ou forçada, de Israel ao pragmatismo contribuiu para a sua perenidade.


TERMOS

aliyas

"subidas" até Israel; imigração de judeus, no sentido oposto ao da diáspora, para o novo Estado israelense

kibutz

comunidade típica e específica de Israel, que se caracteriza pelo colectivismo em todos os aspectos da sua atividade, da construção de casas e cuidado das famílias à formação de renda através do trabalho e cultivo de plantações

sabra

nome dado aos israelenses nascidos no novo Estado israelense

sefardi:

judeus cuja ascendência remonta às comunidades judaicas ibéricas, que viveram na Idade Média na Espanha e em Portugal até se espalharem pela Europa e o Oriente Médio



CRONOLOGIA

14.mai.1948

Proclamação do Estado de Israel em Tel-Aviv por David Ben Gourion. Começo da imigração sefardi; inicialmente oriunda de países orientais (Iraque, Iêmen), foi reativada pela chegada dos judeus originários do Maghreb (países da África do Norte) depois da guerra de 1956 e da descolonização

01.abr.1952

Adoção pela Knesset (Parlamento) da lei que confere nacionalidade israelense a todo imigrante judeu que se instala em Israel

18.mai.1971

Manifestação em Jerusalém organizada pelo movimento das Panteras Negras, que expressa as frustrações dos sefardis. Explica em parte a vitória do Likoud (direita nacionalista) nas eleições legislativas de 1977. Em 1984, é fundado o Shass, partido dos ultra-ortodoxos sefardis, que se torna uma força de apoio estratégica

14.set.1984

Para enfrentar a crise, uma coalizão entre os trabalhistas e o Likoud assume o comando da economia. O primeiro-ministro Shimon Peres adota uma política de questionamento e substituição progressiva do modelo original, impregnado de coletivismo, dos kibutz

28.mar.2006

O partido Israel Beitenou, liderado por Avigdor Lieberman, conquista 11 assentos nas eleições legislativas e confirma a permanência de importante eleitorado "russo", como resultado da imigração muito intensa, durante os anos 1990, de provenientes da ex-URSS


Tradução: Jean-Yves de Neufville


Extraído de:

Le Monde, em 14/05/2008.


Veja mais em:

Nenhum comentário: