Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 10 de maio de 2008

Veja a cronologia dos 60 anos do Estado de Israel

da Folha Online, em 07/05/2008.

Há 60 anos, em 8 de maio de 1948, foi fundado o Estado de Israel, reconhecido como país pela ONU (Organização das Nações Unidas). O reconhecimento foi resultado de décadas de luta do movimento sionista --que defende a autonomia do Estado de Israel-- e teve como figura política de destaque David Ben Gurion, que assumiu o primeiro governo do país.

Confira a cronologia do Estado de Israel nesses 60 anos:

8 de maio de 1948: Fim do mandato britânico com o estabelecimento do Estado de Israel com David Ben Gurion, do Partido Trabalhista, na liderança do país. Os palestinos não concordaram com a determinação de um Estado israelense e começa um conflito histórico entre palestinos e israelenses pelo domínio do território.

Maio de 1948 a 1949: Um dia depois da criação do Estado de Israel, os Exércitos do Egito, Jordânia, Síria, Líbano e Iraque invadiram o país, forçando Israel a defender a soberania recém-conquistada. A Guerra da Independência era um conflito iminente diante da recusa das lideranças árabes a aceitar a resolução da ONU.

1949: Com a vitória das forças de defesa israelenses, o país expande fronteiras.

29 de outubro de 1956: Israel invade a faixa de Gaza e Sinai junto à campanha lançada pela França e Reino Unido para combater o domínio egípcio no Canal de Suez. As forças israelenses deixam as regiões em março de 1957.

1964: A liderança palestina cria a Organização para a Libertação da Palestina (OLP), para comandar as forças para lutar contra israelenses.

5 de junho de 1967: Israel lança ataques preventivos ao Egito e à Síria depois do que considera "ataques agressivos" do Egito. A vitória na Guerra dos Seis dá a Israel o domínio sobre a Cisjordânia, oeste de Jerusalém, a faixa de Gaza e as Colinas de Golã.

5 de setembro de 1972: Palestinos matam 11 atletas israelenses na Olimpíada de Munique. Em retaliação, Israel mata líderes de guerrilhas palestinas.

6 de outubro de 1973: Na Guerra de Yom Kippur, o Egito e a Síria atacam Israel ao longo do Canal de Suez e as Colinas de Golã. Depois de reveses iniciais na Guerra, Israel consegue vencer os dois inimigos em três semanas.

Fevereiro de 1974: É fundado o grupo religioso sionista Gush Emunim, que apóia a expansão dos assentamentos judeus nos territórios ocupados.

4 de julho de 1976: Comandos de Israel resgatam 98 refém israelenses e judeus em Entebbe, Uganda, depois que guerrilhas palestinas seqüestraram um avião da Air France.

17 de maio de 1977: O partido de direita Likud chega ao poder depois de 29 anos de domínio do Partido Trabalhista, com a vitória de seu líder Menachem Begin nas eleições nacionais.

19 de novembro de 1977: O presidente egípcio Anwar Sadat vai a Israel em visita oficial que encerra 30 anos de hostilidade.

14 de março de 1978: As forças israelenses atravessam o sul do Líbano para combater guerrilhas palestinas. Mais tarde, Israel recua.

17 de setembro de 1978: Primeiro-ministro israelense, Menachem Begin, e o presidente do Egito, Anwar Sadat, assinam os dois Acordos de Paz de Camp David, negociados na casa de campo do presidente dos EUA e assinados na Casa Branca. Os acordos foram patrocinados pelo então presidente dos EUA, Jimmy Carter.

7 de junho de 1981: As Forças Aéreas israelenses destroem o local onde o Iraque estava construindo um reator nuclear, acabando com as esperanças do então ditador iraquiano Saddam Hussein de construir uma bomba atômica.

25 de abril de 1982: Israel entrega os territórios ocupados no Monte Sinai de volta ao Egito.

6 de junho de 1982: Israel invade o Líbano, onde fica por três anos.

16 a 18 de setembro de 1982: Centenas de civis em campos de refugiados palestinos em Sabra e Shatila em Beirute são mortos por cristãos libaneses que foram ajudados por tropas israelenses.

Dezembro de 1987: Levante palestino conhecido como Intifada surge na Cisjordânia e na faixa de Gaza. Cerca de 1.500 palestinos e 400 israelenses foram mortos em conflitos nos seis anos seguintes.

1991: Imigração massiva de judeus da União Soviética a Israel. Quando o comunismo entra em colapso, 700 mil chegam em Israel.

13 de setembro de 1993: Na Casa Branca, o primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin e o líder da OLP Yasser Arafat cumprimentam-se nos Acordos de Oslo.

26 de outubro de 1994: Israel assina um acordo de paz com Jordânia, país fronteiriço.

28 de setembro de 1995: Em Washington, Rabin e Arafat assinam mais um acordo de paz entre os povos.

4 de novembro de 1995: Rabin é assassinado pelo ultra-sionista judeu Yigal Amir. Seu aliado no Partido Trabalhista Shimon Peres assume como primeiro-ministro.

29 de maio de 1996: Benjamin Netanyahu, do Likud, é eleito primeiro-ministro após uma onda de ataques suicidas palestinos em Israel.

28 de setembro de 2000: Levante palestino começa após a visita do líder do Likud, Ariel Sharon, a um local sagrado para os muçulmanos em Jerusalém.

6 de fevereiro de 2001: Sharon ganha as eleições nacionais.

27 de março de 2002: Homens-bomba matam 30 pessoas em Netanya. As forces israelenses invadem a Cisjordânia em 29 de março.

30 de abril de 2003: Em um esforço conjunto, ONU, Estados Unidos, União Européia e Rússia desenham mapa da paz para a região.

11 de novembro de 2004: Yasser Arafat more e Mahmoud Abbas lidera a Organização para a Libertação da Palestina.

8 de fevereiro de 2005: Sharon e Abbas declaram cessar-fogo.

22 de agosto de 2005: Israel completa a retirada das tropas e assentamentos da faixa de Gaza depois de 38 anos de ocupação.

4 de janeiro de 2006: Sharon sofre um derrame cerebral grave que o deixa em coma. Ehud Olmert o sucede, ganhando as próximas eleições nacionais.

25 de janeiro de 2006: O grupo extremista palestino Hamas ganha o Parlamento palestino e rejeita as propostas de acordos de paz com Israel de Abbas.

Julho a agosto de 2006: Ao menos 1.100 pessoas no Líbano e 157 israelenses morrem em 34 dias de lutas intensas depois que o grupo terrorista Hizbollah captura dos soldados israelenses em uma patrulha de fronteira.

1º março de 2008: Em um dos dias mais sangrentos na região em décadas, as tropas israelenses matam 61 palestinos em Gaza. Israel diz que o ataque foi resposta a um ataque anterior dos palestinos. Mais de 120 palestinos e três israelenses são mortos em seis dias.

Com Enciclopédia Britânica, Reuters, Ministério de Relações Exteriores e Folha de São Paulo.

Nenhum comentário: