Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 14 de março de 2009

A escrita exilada de Roth

O Globo, Caderno Prosa e Verso, pág.5, em 14/03/2009.


A escrita exilada de Roth

Sentimento de dissolução da tradição permeia obra do austríaco, diz crítico


Susana Kampff Lages


O jornalista e escritor austríaco de origem judaica Joseph Roth (1894-1939), que teve duas obras recentemente publicadas entre nós (“Berlim” e “Jó”, ambas editadas pela Companhia das Letras), recebe agora uma interpretação competente neste livro do também jornalista e crítico literário e musical Luis Krausz.


Ao longo de toda a sua obra — que inclui vários outros romances, entre eles “Fuga sem fim” e “A cripta dos capuchinhos”, traduzidos no Brasil nos anos 80 — Roth busca deter a existência fugaz e evanescente de um presente que lhe aparece cada vez mais problemático: o de espectador e sobrevivente de uma monarquia declinante, a habsbúrgica, e da sociedade crescentemente antissemita da Viena do final do século XIX e início do século XX. Nesse esforço de cristalização de algo precioso que se desenrola e desfaz no tempo, Roth pranteia a perda do universo cultural judaico, ligado à infância e à família, à Heimat, à terra natal, localizada nos confins do Império AustroHúngaro.


Retratista de uma época de declínio e transição Nascido no contexto multicultural e multilinguístico habsbúrgico, tendo inclusive combatido como soldado na Primeira Guerra Mundial, Roth terminará seus dias como judeu exilado em Paris, em condições precárias de existência, emblemáticas da época de declínio e transição que sua literatura retratou e mesmo, em alguns aspectos dramáticos, prefigurou. Em sua obra, a idealização de um passado mítico harmônico e sem fissuras é correlata de um desprezo pelo futuro que se traduz na tentativa de resgatar do esquecimento coletivo as muitas histórias de vida individuais. Nisso Roth demonstra ser um legítimo continuador da tradição narrativa hassídica judaica da Europa Oriental, da qual seu contemporâneo Martin Buber foi divulgador fundamental no contexto literário da modernidade literária judaica e alemã do início do século XX.


O abrangente estudo de Krausz oferece um retrato multifacetado da obra do escritor Joseph Roth e de todo um momento histórico fundamental para a compreensão da catástrofe que se abateria sobre a Europa como um todo e sobre o universo cultural e humano judaico e alemão, em particular. Além disso, o estudo recontextualiza muitos dos dilemas com que se depararam escritores do início do século XX, centrados no reconhecimento da fragmentação e da real incomunicabilidade do ser humano moderno ocidental.


Nesse sentido, a partir da leitura de Roth e de seus contemporâneos, Krausz nos leva sobretudo a compreender que a condição judaica é emblemática da condição do homem moderno: o sofrimento humano deriva da condição de perpétuo exílio e desenraizamento que vivenciamos (até hoje?), graças a nossa renúncia às experiências autenticamente humanas.


Para Roth, a saída da aldeia, do shtetl, na Europa oriental, lugar permeado pela experiência religiosa e mística, se faz em favor da entrada numa sociedade urbana baseada na produção e circulação da mercadoria e, sobretudo, em sua reprodução mecânica industrial.


Essas transformações se deram sob os auspícios de uma classe burguesa em ascensão, cuja atitude em todas as esferas da vida visava diferentes formas de mimetização da classe em declínio, a aristocracia.


Não por acaso, na Viena da virada do século, o teatro tradicional e os bioscópios, e depois a fotografia o cinema passarão a ter um papel social fundamental, perpetuando a vertigem da imitação e dos jogos de cena até os limites da falsificação social, onde o vivido não mais se distingue do imaginado e encenado e com ele se confunde.


“Rituais crepusculares” joga também nova luz sobre a obra de autores conhecidos como Freud, Schnitzler, Kafka, Zweig, Broch e Canetti, e nos põe em contato com um universo literário judaico-alemão bem menos conhecido (escritores como S. Morgenstern, Dessauer, Franzos, Kisch), mas fundamental para se entender o contexto histórico-literário dentro do qual a obra de Roth e seus contemporâneos, mais ou menos próximos, foi criada. Um aspecto fundamental desse contexto diz respeito à relação de alguns desses autores — e, em particular, de Roth — com seu material de trabalho, a língua alemã. Em sincronia com o nosso Fernando Pessoa, Roth afirmava que “a pátria do verdadeiro escritor é a língua”, recusando — como também recusará outro seu contemporâneo judeu alemão, Walter Benjamin — uma concepção meramente instrumental da língua, e pressupondo com isso seu valor criativo e modelador da realidade. Nesse sentido, o pensamento de Roth é afim ao de muitos intelectuais de origem judaica de seu tempo: construído sob a poderosa influência do pensamento nietzscheano, a experiência com a linguagem lhe é central — um aspecto menos explorado do estudo, mas certamente de relevo para a compreensão da obra rothiana e seu contexto literário e cultural.


Língua alemã era passaporte para a modernidade Para a população judaica do Leste, a língua alemã representava o passaporte para a modernidade e a civilidade, a passagem do gueto para a emancipação, afinal promovida pelo admirado imperador Franc isco José . Como mostra Krausz, foi alto o preço a pagar por essa liberdade, pela integração numa Europa cujos valores fundamentais gravitavam em torno do racionalismo, do mundo do trabalho e do consumo. A renúncia aos valores autenticamente humanos, de natureza espiritual, e a adoção de valores de caráter eminentemente material e da crença na superioridade da razão levaram à extinção de todo o universo cultural judaico alemão, por fim destruído programaticamente pelo nazismo.


Embora não se possa ressuscitar um mundo extinto nem apagar o curso da História, a obra de Krausz, na esteira de estudos europeus e norteamericanos recentes, demonstra ser possível retomar, em nova chave, os laços de afinidade que outrora uniram a tradição alemã e a judaica, resgatando daí novos e autênticos valores humanos.

Nenhum comentário: