Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Ely Karmon: "Novo governo deve retomar ação em Gaza"

PublishNews (02/04/2009)

  • Livro é baseado em fábula judaica: Baseado em uma fábula de Rabi Nachman de Bratslav, Moni Ovadia se aventurou na escrita de O príncipe e o frango (Biruta, 28 pp., R$ 30). A história se passa em um reino distante, numa festa na corte em que estavam soberanos e embaixadores, princesas e comandantes, sábios e astrólogos, músicos e poetas. Na festa, o filho do rei resolve tirar todas as suas roupas e enfiar-se debaixo de uma grande mesa. Daí em diante, o garoto recusou-se a comer. O rei ficou desesperado e consultou os melhores médicos, ofereceu grande recompensa, mas ninguém conseguiu resolver essa crise e curar o seu filho. O reino já estava ficando tumultuado, até que um sábio bem sabido entra na história e, de um jeito que ninguém espera, tenta inverter os papeis e resolver essa situação. O livro tem ilustrações de Emiliano Ponzi.


FSP (02/04/2009)


Entrevista: "Novo governo deve retomar ação em Gaza"


SAMY ADGHIRNI

DA REPORTAGEM LOCAL


Binyamin Netanyahu precisa agir para evitar que o Hamas se rearme e reforce seu controle sobre a faixa de Gaza, disse à Folha, por telefone, o analista Ely Karmon, do Instituto Internacional de Contraterrorismo e ligado à comunidade de inteligência israelense. Os principais trechos da entrevista:


FOLHA - O governo Netanyahu será mais linha-dura que o anterior em questões militares?

ELY KARMON - A princípio, sim. Mas Ehud Olmert tomou várias iniciativas agressivas, como a guerra do Líbano [2006] e a ofensiva em Gaza, que não teve desfecho. O novo governo deve fechar com urgência a fronteira com o Egito, pois o contrabando de armas continua, ajudando o Hamas a controlar a população.


O grupo anda tão confiante que vem convidando TVs a filmarem a reconstrução dos túneis.


A equação envolve ainda a relação do Hamas com [o rival secular] Fatah e as negociações com o Egito, que ocorrem em vários planos. Mas se Gilad Shalit [militar refém em Gaza desde 2006] não for solto e se houver mais disparos de foguetes [contra Israel], o novo governo atacará com mais firmeza.


Mas o Hamas já está sob pressão, pois seu objetivo maior, controlar a reconstrução de Gaza, está longe de ser alcançado, graças ao bloqueio de Israel ao território.


Já o Irã é um problema mais grave. Vamos ver se a nova estratégia de Barack Obama surtirá efeito. Acho que em até oito meses ele concluirá que Teerã não está disposta a abrir mão da opção nuclear. Israel entende que, até o fim do ano, o Irã poderá ter material para criar uma bomba. Mas tudo depende dos EUA.


FOLHA - A que ponto Israel depende militarmente dos EUA?

KARMON - Se houver mais disparos de foguetes de Gaza contra Israel, o governo tomará as medidas cabíveis sem consultar quem quer que seja. Há uma enorme pressão popular. Moradores do sul passaram um mês sob constantes disparos de mísseis e temem que tudo recomece. Aquilo foi inaceitável.


A questão do Irã é diferente. Do ponto de vista operacional, Israel é capaz e independente. O problema é que os EUA têm tropas em muitos países em volta do Irã -Arábia Saudita, Qatar, Iraque. Não acho possível uma ação militar sem coordenar com os EUA. Há divergências de timing, mas não os descompassos que alguns citam. Os assessores próximos de Obama são da turma de Bill Clinton [1992-2000]. Sabem que os interesses de EUA e Israel andam juntos.


FOLHA - Qual o significado do recente ataque de Israel a um comboio no deserto do Sudão?

KARMON - O objetivo era impedir a entrada em Gaza de mísseis que colocariam Tel Aviv sob alcance do Hamas e dizer ao Irã: "Cuidado, nosso braço é longo e preciso".



FSP online (02/04/2009)


UOL Internacional / Mídia Global (02/04/2009)


G1 (02/04/2009)


JB (02/04/2009)


Correio Braziliense (02/04/2009)


Zero Hora (02/04/2009)

  • As amizades perigosas do polêmico Chávez (página 28): O apoio a grupos extremistas islâmicos e as suspeitas sobre os reais motivos por trás do projeto nuclear desenvolvido pelo Irã transformaram o país em um parceiro indesejado. Não para Hugo Chávez, que ontem à noite desembarcou em Teerã para a sétima visita oficial ao país.


Pletz (01/04/2009)


Gazeta do Povo (01/04/2009)


Deutsche Welle (01/04/2009)


Leia mais:


Veja mais:

01/04/2009

Nenhum comentário: