Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 14 de abril de 2009

Entre persas, árabes e israelenses

FSP (14/03/2009)
Irã aceita reatar diálogo com potências
Artigo: Entre persas, árabes e israelenses


Artigo:
Entre persas, árabes e israelenses


ROULA KHALAF
DO "FINANCIAL TIMES"


A nova abordagem de Barack Obama em relação a Teerã começa a emergir -antes até de a revisão plena ser concluída-, e a mudança parece drástica. Considerem três recentes decisões: primeiro, o presidente dos EUA adotou um tom respeitoso, que sinaliza que a "mudança de regime" deixou de ser um objetivo dos EUA.
Segundo, ele deixou claro que quer o Irã envolvido em questões que sejam causa comum de preocupação, sobretudo no Afeganistão. No espírito dessa colaboração, Washington convidou funcionários de Teerã para a recente conferência sobre o Afeganistão em Haia. Terceiro, e principal, é a decisão dos EUA de se unirem às demais potências mundiais na oferta de retomar as negociações nucleares com o Irã -e, ao menos por enquanto, sem condicioná-la ao fim do enriquecimento de urânio por Teerã. Claro que o objetivo dos EUA ainda é o mesmo: Washington quer impedir Teerã de adquirir armas nucleares e usar seu poderio político e militar para solapar os interesses ocidentais. A meta final do Irã tampouco mudou: garantir a aceitação de seu programa nuclear e o status de potência regional. Mas, após 30 anos de hostilidade entre os dois países, não se deve subestimar tais passos.
Embora as reações de Teerã não sejam 100% encorajadoras, as decisões da Casa Branca tiveram impacto sutil: abrir o debate dentro do regime iraniano antes da eleição presidencial de junho e lançar pressão sobre Teerã por uma resposta à altura. Com o tempo, elas darão às forças moderadas no país munição para se fazer ouvir.

Outros atores
Neste primeiro estágio, porém, Washington tem dois outros atores a considerar enquanto se esforça para promover uma distensão com Teerã. O primeiro são seus aliados árabes, que temem a influência crescente do Irã no golfo Pérsico e a possibilidade de os iranianos interferirem em causas que consideram como suas, sobretudo o conflito árabe-israelense. Esses aliados presumem que melhores laços entre Washington e Teerã enfraqueceriam seus elos com os EUA. O relacionamento entre o Irã e o mundo árabe está piorando.
Em março, Marrocos cortou relações com Teerã, alegando que os iranianos buscam difundir o islã xiita entre a maioria muçulmana sunita do país. Mais bizarra é uma investigação do Egito sobre um grupo supostamente ligado ao Hizbollah, grupo libanês apoiado pelo Irã, e suspeito de planejar ataques contra seu território. Mas os países árabes podem ser convencidos dos méritos de um diálogo entre EUA e Irã.
Mais complicado é Israel, dono do único arsenal nuclear do Oriente Médio (não declarado), mas que ainda assim se sente vulnerável. Enquanto os EUA agem sob a suposição de que o Irã atua de forma racional, o novo governo israelense vê na liderança em Teerã um "culto messiânico apocalíptico", como disse o premiê Binyamin Netanyahu à revista "Atlantic".
Israel aposta que a aproximação com o Irã fracassará e que o mundo apoiará sanções econômicas muito mais punitivas ou uma ação militar para destruir instalações militares do rival. Assim, devemos esperar que, a cada passo, o governo Obama enfrente mais procrastinação de Teerã, impaciência de Israel e ansiedade entre os árabes.
Será preciso perseverar e enviar uma mensagem clara aos aliados árabes de que eles não devem temer a distensão dos EUA com o Irã, bem como uma severa advertência a Israel contra uma eventual aventura militar lançada isoladamente.


FSP online (14/04/2009)
Mundo
Chávez confirma viagem do presidente do Irã à Venezuela
Israel e EUA farão maior exercício conjunto com mísseis defensivos

Estadão (14/04/2009)
O sultão solteiro de um país árabe que ficou independente de Portugal

Correio Braziliense (14/04/2009)
Entrevista: Analista não descarta aliança entre piratas somalis e radicais islâmicos
EUA saúdam disposição do Irã ao diálogo

UOL Internacional / Mídia Global (14/04/2009)
Der Spiegel:
"O Irã também teria de ser um membro do Conselho de Segurança" (Entrevista com Mahmoud Ahmadinejad, parte 3)

Último Segundo (13/04/2009)
Nahum Sirotsky:
Plano do Hezbollah foi ato de guerra contra o Egito

Deutsche Welle (13/04/2009)
Judeus alemães levaram estilo Bauhaus à centenária Tel Aviv

RSN (13/04/2009)
Obama's Intel Services More Worried About Right-Wing Terror Than Islamists?
Hamas Runs a Hate Industry of anti-Semitism


Leia mais:
AJN
El Reloj
Iton Gadol
Aurora Digital
Haaretz (inglês)
Israel News Now
Israel21
Israelinsider
Jerusalem Post
Yediot Achronot (inglês)


Veja mais:
13/04/2009

Durban II Resource Guide and Update
Israelenses satirizam palestinos em desenho

Nenhum comentário: