Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Ministério alemão do Exterior teve participação ativa no extermínio de judeus pelos nazistas

Deutsche Welle (26/10/2010): Ministério alemão do Exterior teve participação ativa no extermínio de judeus pelos nazistas: Relatório de comissão de historiadores afirma que diplomatas participaram ativamente do extermínio de judeus e mostra como o ministério se empenhou em esconder seu passado e proteger criminosos durante o pós-Guerra. O envolvimento do Ministério do Exterior da Alemanha no extermínio de judeus durante o regime nazista é maior do que se supunha, segundo o relatório de uma comissão internacional de historiadores criada pelo ex-ministro Joschka Fischer em 2005. Conforme o relatório, diplomatas do ministério tiveram participação decisiva na morte de judeus pelos nazistas. O presidente da comissão, o historiador alemão Eckart Conze, qualificou o ministério de "organização criminosa" que contribuiu com a política nazista de extermínio. Além disso, afirma o documento, após o final da Segunda Guerra Mundial o ministério se empenhou em esconder suas ações durante o período nazista. O relatório será apresentado em forma de livro nesta quinta-feira (28/10) em Berlim, mas o seu conteúdo já foi divulgado pela imprensa alemã. Conze está certo de que o Ministério do Exterior não foi, como o órgão gosta de se apresentar, um foco de resistência ao nazismo. Pelo contrário. Segundo o historiador, a maioria dos diplomatas já viu a ascensão dos nazistas ao poder, em 1933, como "uma redenção". Mais tarde, o ministério participou, como instituição, dos crimes nazistas. Os diplomatas, de acordo com ele, foram ao mesmo tempo agentes e cúmplices do regime. Poucos teriam resistido à pressão ou oferecido resistência. "O Ministério do Exterior participou desde 1933 da política de violência do nazismo. Teve participação ativa na perseguição e também no extermínio dos judeus europeus e foi, não é possível dizer outra coisa, nesse sentido também uma organização criminosa", sintetizou Conze. >>> Leia mais, clique aqui.

Nenhum comentário: