Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 18 de março de 2012

Tribunal de Munique proíbe publicação de trechos do livro de Hitler

Deutsche Welle (08/03/2012): Tribunal de Munique proíbe publicação de trechos do livro de Hitler: A publicação de excertos do livro Minha luta (Mein Kampf, em alemão), de Adolf Hitler, continua proibida na Alemanha, conforme decisão anunciada nesta quinta-feira (08/03) pelo Tribunal Regional de Munique, que confirmou decisão proferida em janeiro por uma corte de menor instância. O tribunal proibiu o editor britânico Peter McGee de publicar trechos comentados do livro no seu jornal Zeitungszeugen, que em 2009 e 2010 já publicou páginas de jornais editados na época nazista. Os juízes de Munique consideraram que a publicação em questão ultrapassa os limites do que se pode chamar de citação e serve à divulgação da obra de Hitler. Para o juiz Peter Guntz, a publicação de McGee fez amplo uso do livro e os leitores podem ler o material simplesmente deixando de lado as explicações dos historiadores. O britânico disse que vai recorrer da decisão. >>> Leia mais, clique aqui.


Veja mais:

  • Deutsche Welle (15/03/2012): Pesquisadores do Holocausto recebem prêmio do livro em Leipzig: Tradicionalmente, o Prêmio do Livro do Entendimento Europeu é concedido na abertura da Feira do Livro de Leipzig. Este ano ele vai para dois pesquisadores especializados em questões ligadas ao Holocausto.
  • Deutsche Welle (18/03/2012): Alemanha debate exibição de filmes nazistas: Aproximadamente 40 filmes feitos durante o nazismo estão na lista de "restritos" e sua exibição é proibida para o grande público. Alguns especialistas defendem uma reavaliação da conduta frente a essas obras.

Nenhum comentário: