Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 7 de abril de 2012

Thomas L. Friedman: Pelo preço de uma, duas opiniões sobre Oriente Médio


Estadão (06/04/2012): Thomas L. Friedman: Pelo preço de uma, duas opiniões sobre Oriente Médio: Há tanta coisa ocorrendo no Oriente Médio que ficou impossível captar tudo com uma opinião. Portanto, aí vão duas pelo preço de uma. Opinião um: O jornal israelense Haaretz reportou na semana passada que o líder palestino preso Marwan Barghouti "emitiu uma declaração incomum de sua cela. Ele conclamou seu povo a iniciar um levante popular contra Israel, interromper as negociações e a coordenação de segurança e boicotar (Israel). Barghouti recomendou que seu povo optasse por uma oposição não violenta". Barghouti, como observou o Haaretz, "é o líder mais autêntico que a Fatah produziu, e pode liderar seu povo para um acordo... Se Israel tivesse desejado um acordo com os palestinos, ele já o teria soltado da prisão". Tive a oportunidade de conhecer Barghouti antes de suas cinco condenações à prisão perpétua por envolvimento na morte de israelenses. Seu apelo à resistência não violenta é digno de nota e o mais recente de uma série de chamados aos palestinos - provenientes de toda parte - para que promovam seu próprio despertar árabe, mas para fazê-lo sem violência, com desobediência civil ou boicotes a Israel, assentamentos israelenses ou produtos israelenses. Posso perceber, com certeza, a eficácia de uma resistência não violenta dos palestinos à ocupação israelense da Cisjordânia, com uma condição: que eles acompanhem quaisquer boicotes, manifestações ou greves de fome com um mapa detalhado do acordo final de dois Estados que buscam. Apenas pedir "o fim da ocupação" não basta. >>> Leia mais, clique aqui.


Veja mais:

Nenhum comentário: