Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Respeito x "liberou geral"

Respeito x "liberou geral"

Sander Fridman, psiquiatra

O desfile de Carnaval na avenida é uma modalidade autônoma de expressão artística. Como tal é natural que seus artistas ambicionem conquistar a capacidade de recriar o mundo e posicionar-se frente a ele, nos limites e possibildades que sua arte lhes proporciona. É do interesse da comunidade judaica brasileira e mundial que o Holocausto seja apropriado, com o devido respeito e reverência, por toda a humanidade, como um compromisso de cada cidadão do mundo de relembrá-lo e de orientar suas atitudes apropriadamente em torno daqueles fatos inomináveis - mas talvez representáveis. Guardar o respeito e motivar à memória, ao mesmo tempo, não se coadunam nem com a censura cabal das manifestações do gênero, nem com o "liberou geral".


"Guardar o respeito e motivar à memória, não
se coadunam nem com a censura cabal das
manifestações do gênero, nem com o "liberou geral"

Propõem-se que as boas intenções, como a da Viradouro-2008, sejam estimuladas mas, principalmente, instrumentalizadas, orientadas, por meio de uma avaliação da propriedade e da adequação da mensagem pretendida sobre o Holocausto, por meio de uma comissão de alto nível, com nossos melhores semiólogos, analistas de propaganda e marketing, filósofos, diretores de artes dramáticas - no sentido de anteciparmos o impacto de determinada estratégia de expressão artística carnavalesca e, principalmente, de modo a contribuirmos com as melhores sugestões possíveis e, até mesmo, com recursos, quando viáveis e convenientes, para que a ação seja o mais possível em consonância com nosso projeto/dever de cooptar o mundo para a memória do Holocausto, e para os compromissos decorrentes desta memória.

Extraído de:
Jornal Alef, edição 1.129
(em, 30/01/2008).

Nenhum comentário: