Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 15 de abril de 2008

Inquisição e Intolerância na Península Ibérica e no Brasil (curso on-line) - LEI/USP

O Laboratório de Estudos sobre a Intolerância da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (LEI) juntamente com o Programa Institutos Milênio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), oferecem um curso em rede, para os interessados no tema do Santo Ofício da Inquisição em Portugal e no Brasil. Pesquisas realizadas com manuscritos inéditos, principalmente pertencentes ao Instituto dos Arquivos Nacionais da Torre do Tombo em Portugal, têm revelado aspectos surpreendentes da história do Brasil, até hoje desconhecidos. A qualidade da gente que povoou o Brasil, suas origens étnicas e religiosas, suas vidas familiares, atividades econômicas, crenças e mentalidades, como também as perseguições que sofreu durante 300 anos pelo Santo Ofício da Inquisição, serão apresentados neste curso. Tendo os documentos inquisitoriais pertencentes ao Tribunal, permanecido secretos durante séculos e inacessíveis ao grande público – a historiografia tanto brasileira quanto estrangeira ignorou aspectos de decisiva importância para a compreensão dos fundamentos essenciais da cultura brasileira. O conhecimento do sistema repressivo e desumano, que vigorou na sociedade brasileira colonial, assim como o entendimento da visão de mundo dos primeiros povoadores, devem ser buscados nos documentos pertencentes ao Santo Ofício da Inquisição.

O curso que apresentamos tem como objetivo oferecer aos interessados os resultados das últimas pesquisas realizadas no campo dos estudos inquisitoriais, principalmente sobre os crimes perpetrados contra a população que tinha remotas origens judaicas. Foi uma perseguição racista, com interesses econômicos, mascarados estes sob pretexto religioso. Os agentes inquisitoriais vieram ao Brasil buscar os hereges, mas o que mais interessava os inquisidores eram os descendentes de judeus que haviam sido convertidos à força - os cristãos novos. Em muitos aspectos, o anti-judaísmo no mundo ibérico antecipou cinco séculos o anti-semitismo nazi.

O curso será ministrado em oito aulas, precedidas de uma aula introdutória de autoria da Coordenadora do curso, Professora Anita Novinsky. Serão apresentados temas como os primeiros marranos da Península Ibérica, a Inquisição e a perseguição às mulheres, as origens judaicas dos bandeirantes paulistas, o antisemitismo na Companhia de Jesus, os judeus pioneiros na colonização de Nova Amsterdam, (atual Nova York), estudos de casos, como a vida trágica do poeta cristão novo Bento Teixeira. Finaliza o curso uma aula sobre os vínculos do imperador D. Pedro II com os judeus e o judaísmo.

O curso oferecerá ainda “chats”, durante os quais cada professor esclarecerá sobre suas aulas, respondendo questões formuladas pelos interessados, uma bibliografia geral e específica em cada curso sobre a matéria dada, ilustrações sobre temas referentes à Inquisição e “links” que permitirão aos alunos interessados ampliar seus conhecimentos, familiarizando-se com a documentação inquisitorial, com obras e poemas escritos pelas vítimas. Esse material será disponível aos estudantes a semanalmente.

As Aulas

A primeira aula aborda as vidas dos judeus no século VII na Península Ibérica, quando foram forçados a se converter ao Cristianismo e tornaram-se os primeiros “marranos”.

A segunda aula se concentrará sobre a última década do século XVI, quando a Bahia e Pernambuco foram alvos das primeiras investidas inquisitoriais, e sobre a vida, a obra e o destino do primeiro poeta das Américas – Bento Teixeira, denunciado pelo crime de Judaísmo e morto nos cárceres da Inquisição de Lisboa.

A terceira aula mostrará que a poderosa Companhia de Jesus foi uma ordem anti-semita, racista e elitista. Apesar do grande número de cristãos novos admitidos na Ordem, no seu primeiro século de existência, quando de sua fundação, todos descendentes de judeus, assim como negros, mulatos e árabes eram discriminados. Serão focalizadas as divergências entre os jesuítas, assim como intolerância e conflitos.

A quarta aula tratará sobre os vinte e quatro anos que os holandeses ocuparam o Nordeste do Brasil, mostrando como se deu a convivência entre judeus, cristãos novos e calvinistas. A velha tradição anti-semita vigorou durante todo o período holandês, envenenando as relações entre os súditos portugueses e holandeses, apesar das drásticas atitudes pró-judaicas assumidas pelos dirigentes da Companhia das Índias Ocidentais. A expulsão dos judeus de Pernambuco em 1654 levou vinte e três imigrantes do Brasil para Nova Amsterdã, onde foram pioneiros na colonização, criando a primeira comunidade judaica em Nova York, cujos ideais representavam a sua luta pelos direitos de cidadania e liberdade.

A quinta aula versará sobre um tema também inédito na história do Brasil: a Inquisição contra as mulheres, principalmente no Rio de Janeiro nos séculos XVII e XVIII. Alvo principal do Santo Ofício, as mulheres representaram a maioria dos prisioneiros brasileiros do século XVIII e foram o elemento por excelência na transmissão da heresia judaica.

A sexta aula resgata a história de um rico e prestigioso capitão mor da região de São Paulo e Parati, preso pela Inquisição e que o “Santo” Tribunal reduziu à miséria e levou à loucura.

A sétima aula apresentará um capítulo inédito da história de São Paulo, mostrando o que foi a atuação do Santo Ofício da Inquisição em terras de Piratininga. Será apresentada uma nova hipótese, atualmente defendida por Anita Novinsky, sobre a guerra dos bandeirantes contra os jesuítas, assim como a origem judaica dos bandeirantes paulistas e as razões ideológicas do conflito que levou à Guerra das Missões.

Encerra o curso uma aula sobre o imperador do Brasil, D. Pedro II, seus vínculos com os judeus, com a cultura judaica, seu hebraísmo e sua paixão por uma cristã nova.

O link para acesso e inscrição ao curso é:
http://www.rumoatolerancia.fflch.usp.br/imoodle/course/view.php?id=5

Docente Coordenadora: Anita Waingort Novinsky

Equipe Docente:
Professora Renata Rosenthal Sancovsky
Professora Eneida Ribeiro
Professor Robson Lima Santos
Professora Daniela Levy
Professora Lina Gorenstein
Professor Marcelo Amaral
Professora Rachel Mizhari
Professora Noely Raphanelli

Nenhum comentário: