Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado II - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 20 de abril de 2008

Saindo do Egito todos os dias

SAINDO DO EGITO TODOS OS DIAS
POR DR. TALI LOEWENTHAL

A idéia da saída do Povo Judeu do Egito, o acontecimento central em nossa Parashá [1], é um dos conceitos fundamentais do pensamento judaico. O Êxodo é a base da maioria das mitzvot da Torá, no sentido de que D’us nos salvou da escravidão egípcia para nos dar Suas Leis Divinas e nos tornar Seu povo especial. Os Sábios enfatizaram que isto é a nossa própria experiência pessoal. Na mesa do Seder de Pessach, nós nos imaginamos ter estado no Egito. Nós sentimos que a libertação do jugo egípcio nos afetou de forma direta, no sentido de que se nossos ancestrais não tivessem sido redimidos, nós ainda seríamos escravos (e os mapas religiosos, culturais e políticos do mundo seriam bem diferentes).

A Torá nos pede para que lembremos todos os dias deste evento: “Lembre do dia em que deixaste o Egito por todos os dias de tua vida” [2]. Todos os dias, nós somos obrigados a dizer o Shemá, e o seu terceiro parágrafo foi instituído porque ele nos lembra sobre o Êxodo, falando-nos que D’us nos levou para fora do Egito para que ele fosse nosso D’us [3].

Os ensinamentos chassídicos revelam uma outra dimensão. O Rabbi Shneur Zalman escreve em seu livro Tanya que em toda geração, e em todos os dias, cada um de nós tem o dever de ver a nós mesmos como se tivéssemos saído do Egito naquele dia. Não só nós lembramos do Êxodo descrito na Parashá como um evento fundamental do passado, mas nós o vemos acontecendo diariamente em nossas vidas no presente.

Nós poderíamos perguntar: como nós deixamos a escravidão do Egito nos dias de hoje? Tudo parece muito normal. Não há capatazes, pragas ou acontecimentos dramáticos...

Ou assim parecia. O Rabbi Shneur Zalman explica que o mundo é, ele próprio, uma forma de Egito. A palavra hebraica para Egito, “Mitzrayim”, também pode ser lida “meitzarim”, “limitações”. Nós estamos em um mundo de limitações que oculta a Divindade e nossa Alma Animal tenta nos escravizar, desviando nossa atenção em direção à materialidade, às vezes de uma forma bastante grosseira. Às vezes também, nosso Egito pessoal é mais sutil. Existe um Egito grosseiro de comportamento obviamente negativo e existe um “Egito sagrado” onde se está fazendo coisas boas, mas de uma forma egocêntrica.

Muito bem, você diria: Então, este é o tipo de Egito diário. Mas como eu me livro dele? Onde está meu Êxodo pessoal?

De acordo com o Rabbi Shneur Zalman, a prática de qualquer mitzvá é um Êxodo pessoal imediato. Especialmente, diz ele, a recitação do Shemá como uma oração para D’us. No momento em que dizemos “Shemá Yisrael, Ouve ó Israel, D’us é nosso Senhor, D’us é Um”, nossa Alma Divina interior se liberta na alegria do Êxodo pessoal. Naquele momento, nós nos libertamos de nossas limitações mundanas comuns e nos unimos ao Divino. Nosso D’us é “nosso”, da mesma forma que D’us é o D’us de Avraham. Diferentemente de Avraham, nós não trabalhamos por este privilégio: nós o herdamos. Mesmo assim, a conexão é real e, no momento em que nos dirigimos ao Divino, nós vivenciamos interiormente esta ligação e esta liberdade.

Porque a recitação do Shemá é um Êxodo pessoal, os Sábios acrescentaram a ele o terceiro parágrafo em memória ao Êxodo do Egito. Na verdade, é o próprio Êxodo. E, assim, o Shemá conclui com a declaração de que D’us nos tirou do Egito para que Ele fosse nosso D’us, a partir daquele exato momento [4].

A nossa Redenção pessoal de nosso próprio Egito nos leva em direção à Redenção geral do Exílio de sofrimento, crime e guerra. O Povo Judeu e, finalmente, toda a humanidade deixarão este Exílio geral para sempre, e todos nós seremos capazes de reconhecer e nos ligarmos com o Divino em todos os aspectos da vida. Nossa liberdade individual pessoal, através da recitação do Shemá, através de uma mitzvá ou sentando-se à mesa de Shabat é um passo em direção à liberdade do mundo.

Referências:
1. Shemot 10:1-13:16.
2. Devarim 16:3. Ver Mishnah Berachot 1:5.
3. Bamidbar 15:41.
4. Tanya, Parte 1, cap. 47.

Dr. Tali Loewenthal, Diretor do Chabad Research Unit, Londres
Tradutor: Moishe (a.k.a. Maurício) Klajnberg

Nenhum comentário: