Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Israel: Olmert diz que renunciará se for indiciado por corrupção

Premier alega que dinheiro de empresário era para campanha

Renata Malkes
Especial para O GLOBO - TEL AVIV

O Globo, O Mundo, página 40, em 09/05/2008.

TEL AVIV. No dia em que completou 60 anos, Israel foi abalado pela admissão do premier Ehud Olmert de que recebeu dinheiro de um empresário americano. Olmert, no entanto, afirmou que o dinheiro era doação de campanha e disse que só renunciará se for indiciado criminalmente.

— Nunca aceitei suborno. Nunca aceitei um centavo para mim mesmo — disse o premier à TV israelense.

— Se for acusado pela Justiça, eu renunciarei. A investigação se centra na entrega a Olmert de centenas de milhares de dólares pelo empresário Morris Talansky, quando o atual primeiro-ministro era prefeito de Jerusalém, nos anos 90. Olmert reconheceu ter recebido o dinheiro, mas assegurou que se destinava à campanha e não a algum tipo de favorecimento a Talansky.

Na sexta-feira o premier foi interrogado pela polícia durante uma hora e meia sobre o assunto, mas os detalhes da investigação só foram conhecidos na noite de ontem. Olmert já foi investigado em pelo menos três ocasiões por supostos casos de corrupção, mas nunca foi levado à Justiça. No meio político, acredita-se que uma renúncia de Olmert afetaria as negociações com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, para um acordo de paz.

O escândalo estoura ainda quando o país se prepara para receber o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, seu mais importante aliado internacional. A Casa Branca considerou ontem que os problemas judiciários de Olmert são assunto interno de Israel e que não impedirão a visita de Bush na próxima semana.

Israelenses acreditam que país enfrentará uma nova guerra Este não é o único problema a preocupar os israelenses. Seis décadas após a criação do país, a população dá sinais de temer pelo futuro. Segundo pesquisa divulgada ontem pela Universidade de Tel Aviv, pelo menos 75% dos israelenses acreditam que Israel enfrentará uma nova guerra nos próximos cinco anos.

Os números do relatório, intitulado “Medidas de guerra e paz”, mostram que pelo menos 70% dos 600 entrevistados não acreditam num acordo de paz com os palestinos, e outros 66% acham improvável que Israel consiga restabelecer relações diplomáticas com a Síria. Na área econômica, 65% acreditam que o país mantém uma política de sucesso, mas quando se trata da crescente desigualdade social, 66% acreditam que Israel fracassou, mesmo diante do rápido econômico.

Para o pesquisador da escola de Administração Pública do Instituto Interdisciplinar de Herzelia, Yariv Ben Eliezer, Israel falhou nos planos originais traçados em 1948 ao abandonar valores morais. Neto do lendário ex-primeiro-ministro David Ben Gurion, Ben Eliezer acredita que o avô estaria bastante descontente se estivesse vivo. Da herança do avô, explica, ficou apenas a insegurança: — Passamos por mudanças radicais.

Meu avô sonhava com uma Israel que fosse um modelo de inspiração para outros povos. Hoje não somos o país mais ético e mais justo do mundo e é difícil apontar onde o sonho se perdeu. Transformamo-nos numa sociedade darwinista, onde o mais forte sobrevive e às crianças não é mais dada a oportunidade de uma edução igualitária e de qualidade. (R.M.)

Nenhum comentário: