Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 19 de julho de 2008

Berlim 1936: A máscara do nazismo

LUÍS PEDRO CABRAL
Diária de Notícias, em 19/07/2008.

Histórico. Com a Europa mergulhada nos fascismos, Hitler entendeu os Jogos Olímpicos como o momento ideal para a afirmação da superioridade ariana. Mas, na pista, um afro-americano chamado Jesse Owens deu ao mundo a maior prova da igualdade racial.

Alemanha dominou no ponto de vista desportivo, mas sofreu alguns 'amargos de boca'
Os cavalos negros da guerra marchavam já imparáveis no vigor do nazismo, a três anos da eclosão da II Guerra Mundial. Adolf Hitler já não era um mero cabo do exército bávaro, mas o chanceler eleito, autoproclamado Führer. O Mein Kampf, livro que escrevera anos antes na prisão, era agora a "bíblia" do nazismo. E, um ano antes dos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936, a temível Gestapo, sob a chefia do general Himmler, braço-direito de Adolf Hitler, já espalhava o terror na Alemanha, no estrito cumprimento das Leis de Nuremberga, nas quais se impunha a xenofobia e o anti-semitismo como leis da nação. Com o "acto" de Nuremberga, os judeus perdiam por decreto todos e quaisquer direitos de cidadania. Adivinhava-se o que aí vinha. Ou talvez não. Em Portugal, havia Estado Novo, ainda não havia PIDE, mas havia partido único, Fátima, Família e Futebol.

Em Espanha eclodia a guerra civil, que deixaria para trás mais de um milhão de mortos, quando em 1939 se encontrou o caminho da paz. Em 1935, morre Fernando Pessoa, o escritor português com maior número de heterónimos. A Europa caminhava para dias tempestuosos. No continente americano, Hollywood florescia. Os Estados Unidos rompiam com a crise em que estavam mergulhados e impunham-se de novo ao mundo como potência, ainda que a antiga URSS gozasse de grande popularidade, depois da "Noite das Facas Longas" no Partido Nacional Socialista, dois antes destas olimpíadas de mascarada.

Os Jogos Olímpicos de Berlim contaram com todo o apoio do Führer em pessoa, que estava disposto a investir mundos e fundos ilimitados. Foi isso mesmo que aconteceu - como nunca tinha acontecido na organização de uns Jogos Olímpicos - para que essas Olimpíadas se transformassem numa demonstração do poderio "magnânimo" do nazismo, assim como da "superioridade" da raça ariana através das suas qualidades atléticas.

Para mais, a preparação dos atletas germânicos foi sem igual. Hitler mandou preparar instalações especiais de treino, na Floresta Negra, para os participantes olímpicos apurarem a sua forma, não se lhes exigindo menos que a vitória.

É claro que a Alemanha havia de vencer a maior parte das medalhas. Mas a verdade é que Hitler teve de engolir um "sapo" rapidíssimo, que se recusou a fazer a saudação nazi. O norte-americano Jesse Owens havia de deitar por terra todas as teses do nacional-socialismo e a teoria da superioridade do homem ariano. Jesse Owens era afro-americano e arrancou o ouro, brilhando no pódio do nazismo, para desespero de Adolf Hitler e perante uma Alemanha boquiaberta. Apesar de a máquina de propaganda nazista ter feito de tudo para que os feitos de Jesse Owens passassem ao lado dos Jogos Olímpicos, a verdade é que estes ficaram na História exactamente por isso. Jesse Owens foi o príncipe negro dos jogos de 1936, conquistando quatro medalhas de ouro e estabelecendo nada menos que quatro recordes olímpicos no atletismo - modalidade rainha dos Jogos Olímpicos - para acentuar a humilhação que impôs ao nazismo e ao seu mestre de obra.

Na História das Olimpíadas fica também a inauguração de três modalidades, que ainda hoje são olímpicas: o basquetebol, o andebol (com onze jogadores) e a canoagem. E foi também em Berlim que se fez a primeira transmissão televisiva dos Jogos Olímpicos, embora ainda a título experimental.

Portanto, nem tudo foi mau nesses Jogos, que em imponência não tiveram igual, numa homenagem ao complexo de superioridade que vigorava na Alemanha. Não foi apenas Jesse Owens a disferir contrariedade ao Führer. Na faustosa cerimónia de abertura, toda a comitiva britânica fez questão de manifestar a sua oposição ao nazismo, num prelúdio do que havia de ditar a História próxima. Perante um mar de suásticas, todos os atletas, assim como os restantes elementos da delegação britânica, se recusaram terminantemente a fazer a saudação, não se mostrando sequer perturbados pela "indisposição" que Adolf Hitler fez questão de demonstrar.

Nenhum comentário: