Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Bento XVI examina papado de Pio XII

Em uma audiência a um congresso histórico que analisa sua relação com o povo judeu

CASTEL GANDOLFO, quinta-feira, 18 de setembro de 2008 (
ZENIT.org).- Publicamos o discurso que Bento XVI dirigiu nesta quinta-feira na residência pontifícia de Castel Gandolfo aos participantes do simpósio organizado pela Pave the Way Foundation com o título «Examinando o papado de Pio XII», realizado em Roma de 15 a 17 de setembro.

* * *

Estimado Senhor Krupp,

Senhoras e senhores:

Para mim, é um autêntico prazer ter este encontro convosco no final do importante simpósio organizado pela Pave the Way Foundation, do qual participaram eminentes especialistas para refletir sobre a generosa obra realizada por meu venerado predecessor, o servo de Deus Pio XII, durante o difícil período do século passado, que gira em torno da 2ª Guerra Mundial. A cada um de vós dou minhas mais cordiais boas-vindas. Saúdo de maneira particular o Sr. Gary Krupp, presidente da Fundação, e lhe agradeço pelos sentimentos que expressou em nome de todos os presentes. Agradeço-lhe também pela informação que me apresentou sobre o desenvolvimento de vossas sessões de trabalho deste congresso, nas quais analisastes sem preconceitos os acontecimentos da história, preocupados apenas em buscar a verdade. Minha saudação se estende a todos os que estão unidos a vós em vossa visita, e aproveito com prazer a oportunidade para enviar minha cordial saudação a vossos familiares e entes queridos.

Durante estes dias, vossa atenção se dirigiu à figura e à incansável ação pastoral e humanitária de Pio XII, Pastor Angelicus. Já passou meio século desde seu falecimento, ocorrido aqui, em Castel Gandolfo, nas primeiras horas de 9 de outubro de 1958, depois de uma doença que reduziu paulatinamente seu vigor físico. Este aniversário constitui uma importante oportunidade para aprofundar em seu conhecimento, para meditar em seus ricos ensinamentos e para analisar de uma maneira conjunta sua obra. Muitas coisas foram escritas e ditas sobre ele nestas cinco décadas e nem sempre se enfocou corretamente os diferentes aspectos de sua multiforme ação pastoral. O objetivo de vosso simpósio consiste precisamente em preencher algumas destas lacunas mediante uma análise documentada sobre muitas de suas intervenções, sobretudo aquelas a favor dos judeus, que naqueles anos eram perseguidos em toda a Europa, de acordo com o plano criminoso de quem queria eliminá-los da face da terra. Quando alguém se aproxima sem preconceitos ideológicos da nobre figura deste Papa, além de ficar impressionado por seu elevado nível humano e espiritual, é conquistado por sua vida exemplar e pela extraordinária riqueza de seus ensinamentos. Aprecia-se a sabedoria humana e a força pastoral que o guiaram em seu longo ministério e, de maneira particular, na organização das ajudas ao povo judeu.

Graças ao amplo material de documentação que recolhestes, enriquecido por múltiplas e autorizadas testemunhas, vosso simpósio oferece à opinião pública a possibilidade de conhecer melhor e de maneira mais completa o que Pio XII promoveu e realizou a favor dos judeus perseguidos pelos regimes nazista e fascista. Pode-se ver, então, que não poupou esforços, onde foi possível, para intervir diretamente ou através de instruções dadas a pessoas e instituições da Igreja Católica em seu favor. Nas sessões de vosso congresso se sublinharam muitas intervenções que ele realizou de maneira secreta e silenciosa precisamente porque, ao levar em conta as situações concretas desse complexo momento histórico, só dessa maneira era possível evitar o pior e salvar o maior número possível de judeus. Sua entrega valente e paterna foi, de fato, reconhecida e valorizada durante e depois do tremendo conflito mundial por comunidades e personalidades judaicas que não deixaram de manifestar sua gratidão pelo que o Papa havia feito por eles. Basta recordar o encontro que Pio XII teve, em 29 de novembro de 1945, com os 80 delegados dos campos de concentração alemães, que em uma audiência especial que lhes concedeu no Vaticano, quiseram agradecer-lhe pessoalmente pela generosidade que demonstrou aos perseguidos durante o terrível período de nazi-fascismo.

Queridos senhores e senhoras: obrigado por vossa visita e pelo trabalho de pesquisa que estais realizando. Obrigado à Pave the Way Foundation pela constante ação que desenvolve para favorecer as relações de diálogo entre as diferentes religiões, de maneira que possam oferecer um testemunho de paz, de caridade e de reconciliação. Desejo vivamente que este ano, que recorda o 50º aniversário da morte de meu venerado predecessor, ofereça a oportunidade de promover estudos mais profundos sobre os diferentes aspectos de sua pessoa e atividade para chegar a conhecer juntos a verdade histórica, superando deste modo os preconceitos que ainda restam. Com estes sentimentos, invoco sobre vossas pessoas e sobre o trabalho de vosso simpósio a bênção de Deus.

[Tradução: Élison Santos. Revisão: Aline Banchieri.
© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana]

Veja mais:

Judeus e historiadores pedem «justiça e verdade» sobre Pio XII

Nenhum comentário: