Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Israel x Gaza x Oriente Médio (222) .... Gaza: ¿otra guerra fallida?

Infomedio


FSP online (29/01/2009)


Israel deve se limitar a operações aéreas contra pontos determinados na faixa de Gaza. O premiê israelense, Ehud Olmert, afirmou ontem que o ataque a alvos da região são uma ação preliminar e alertou que o país está disposto a dar uma "resposta maior" à morte de um soldado israelense em ataque a bomba na última terça-feira (27).


A avaliação é de Gilberto Sarfati, doutor em ciência política pela USP (Universidade de São Paulo) e professor da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). De acordo com ele, Israel retomou os ataques mesmo após ter conseguido, de certa forma, restabelecer uma nova relação com o movimento islâmico radical Hamas.


"Parte da estrutura [do Hamas] foi destruída pelos ataques. Israel conseguiu cumprir seu objetivo de colocar um novo relacionamento com o grupo do ponto de vista de segurança", diz.


Segundo Sarfati, os integrantes do Hamas utilizavam a infraestrutura de mais de 600 túneis para fazer contrabando de armamento proveniente do Irã.


Para o professor, o posicionamento de Israel no conflito nesse momento é para deixar claro que não mais serão aceitos lançamento de mísseis e morteiros de Gaza contra o território israelense.


Olmert disse ao emissário dos Estados Unidos para o Oriente Médio, George Mitchell, que Israel abrirá as fronteiras da faixa de Gaza somente quando o Hamas entregar Gilad Shalit, soldado israelense sequestrado em junho de 2006.


Sarfati enfatiza que a grande ofensiva militar israelense em Gaza, onde em 22 dias de bombardeios consecutivos mais de 1.300 palestinos foram mortos, foi divida em duas fases, como a de ataque aéreo e terrestre que cortou o território da região em três partes.


"Depois começou a se estrangular as principais cidades da faixa de Gaza em uma tentativa de minar a capacidade de ataque que o Hamas conseguiu desenvolver no último um ano e meio", afirma o professor.



Aurora (29/01/20009)


Veja mais:

29/01/2009


Nenhum comentário: