Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 22 de março de 2009

Cinema alimentado pelas vísceras de Israel

O Globo, Opinião, pág. 7, em 22/03/2009.


Armagedom

VERISSIMO


O motorista que me levava do aeroporto de Tel Aviv para o Mar da Galiléia, onde me juntaria com um grupo de brasileiros que visitava Israel a convite do governo, ia identificando laconicamente os lugares pelos quais passávamos. Era como se eu fizesse um pequeno tour da Bíblia com um guia reticente: só o nome do lugar já deveria evocar tanta coisa que maiores explicações eram supérfluas. Já tínhamos percorrido alguns quilômetros de estrada numa planície árida quando ele fez um gesto de apresentação e disse apenas: — Armagedom.


Armagedom! O Vale do Megido, onde se travará a batalha final entre o Bem e o Mal, entre as hostes do Cristo e as hostes do anti-Cristo, depois da segunda vinda de Jesus, no fim dos tempos iníquos e o advento do Milênio! E eu sem uma reação adequada preparada para a ocasião. Como sou ateu (não praticante), não acreditava no que estava programado para acontecer ali, mas não pude deixar de me decepcionar com o lugar. Parecia haver espaço suficiente para as hostes se digladiarem nos dois lados da estrada asfaltada, mas o cenário não estava à altura do que seria, afinal, o maior megaevento da História.


Não sei o que eu esperava ver. Talvez montanhas mais dramáticas no horizonte e pedras mais significativas no chão. Pelo menos não havia tendas na beira da estrada vendendo camisetas e bonés para as torcidas dos dois lados. Nada parecido com o lugar em que Jesus foi batizado no Rio Jordão, onde hoje há uma loja de suvenires que vende até coroas de espinhos feitas de plástico.


Muita gente acredita em Armagedom, e não apenas fundamentalistas toscos. Ronald Reagan acreditava.


A direita religiosa americana apoia a direita israelense porque Israel triunfante será um protagonista importante dos últimos atos: um dos sinais da vitória final do Bem em Armagedom será a conversão em massa dos israelitas ao cristianismo. Está na Bíblia. E cada novo capítulo da eterna crise no Oriente Médio é visto por cristãos milenaristas como mais um passo na direção da batalha final da qual os judeus também sairão vitoriosos, só que não mais judeus. Pode-se imaginar fundamentalistas furiosos sonhando com mísseis nucleares iranianos cruzando no ar com mísseis nucleares israelenses num preâmbulo do gran finale desejado.

Enfim, o Armagedom. Enfim, Cristo, o único senhor do mundo.


Israel precisa ouvir os seus sensatos. Precisa, principalmente, saber quem são os seus amigos.



O Globo, Segundo Caderno pág2, em 22/03/2009.


Cinema alimentado pelas vísceras de Israel


De viagem marcada para o Brasil, diretor israelense relativiza o papel do cinema documental em seu país Israel, com suas guerras e suas vísceras políticas expostas, é o cerne da obra do documentarista Avi Mograbi que promete inflamar a 14aedição do É Tudo Verdade. No dia 4, às 16h30m, o cineasta israelense promete expor um retrato de tons existencialistas da violência em seu país ao debater “Z32”, seu mais recente longa-metragem, no CCBB. Centrado nas experiências de um soldado que assassinou palestinos, o filme, que terá sessão já nesta sexta-feira, às 18h, no Unibanco Arteplex, sintetiza o olhar crítico de Mograbi sobre sua pátria e sobre a própria arte de filmar.


— Existem muitas vozes expressando diferentes posições hoje no mundo, assim como existem muitos jovens filmando essas diferenças. Mas as pessoas ainda podem se reservar o direito de não querer escutar — diz Mograbi, em entrevista por e-mail ao GLOBO. — Eu não associaria documentário à ideia de verdade. O cinema documental é um ponto de vista sobre a realidade, o que parece ser algo sem sentido quando se fala em Israel hoje. Se um documentário traz uma visão divergente da opinião pública, cujos juízos se assemelham ao que o governo diz, este filme será ignorado.


Na ativa desde 1989, quando lançou o curtametragem “Deportation”, Mograbi venceu a competição internacional do É Tudo Verdade em 2002 com “Agosto — Um momento antes da explosão”. Um de seus trabalhos mais polêmicos, “Z32” foi lançado no Festival de Veneza de 2008, quando o cinema israelense teve grande visibilidade nas mostras internacionais, na esteira do êxito de “Valsa com Bashir”, de Ari Folman, que ganhou o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro.


— Filmes como “Valsa com Bashir” ou “Bubble”, de Eytan Fox, assim como o meu “Z32”, contaram com o aporte de fundos estatais de cinema de Israel. O apoio financeiro do Estado de Israel ao cinema hoje é maior do que nunca, o que justifica, em parte, o florescimento de nossa filmografia. Esse suporte público tem encorajado co-produções internacionais.


O dinheiro estrangeiro é importante em especial diante de grandes produções.


Os pequenos filmes podem ser finalizados com o apoio das redes de TV.


Para Mograbi, a visita ao país durante o É Tudo Verdade será um caminho para desbravar fronteiras do audiovisual brasileiro que ele desconhece.


— É uma vergonha admitir que eu não conheço quase nada sobre a produção documental brasileira. Espero corrigir essa falha durante o É Tudo Verdade. (Rodrigo Fonseca)



Estadão (22/03/2009)


Deutsche Welle (21/03/2009)

O cotidiano dos alemães não é marcado por xenofobia e racismo, mas incidentes e opiniões extremistas são suficientemente recorrentes para políticos e cidadãos se sentirem na obrigação de agir.


Em 21 de março se celebra o Dia Internacional para Eliminação do Racismo, introduzido pela Organização das Nações Unidas em 1966. Desde o começo desta semana até o fim de março, inúmeros eventos realizados na Alemanha abordam o problema.


O balanço pode ser lido no relatório do Departamento Federal de Proteção à Constituição: 17.176 delitos motivados por extremismo de direita foram registrados em 2007. Dois terços deles foram delitos de propaganda, o que inclui por exemplo a demonstração de símbolos inconstitucionais, como a suástica. Continua...



El País (22/03/2009)


La Vanguardia (22/03/2009)


Iton Gadol (22/03/2009)


Aurora (222/03/2009)


Haaretz (22/03/2009)


Jpost (22/03/2009)


Ynet (22/03/2009)


NYT (22/03/2009)

  • A Religious War in Israel’s Army: By ETHAN BRONNER - JERUSALEM — The publication late last week of eyewitness accounts by Israeli soldiers alleging acute mistreatment of Palestinian civilians in the recent Gaza fighting highlights a debate here about the rules of war. But it also exposes something else: the clash between secular liberals and religious nationalists for control over the army and society. Several of the testimonies, published by an institute that runs a premilitary course and is affiliated with the left-leaning secular kibbutz movement, showed a distinct impatience with religious soldiers, portraying them as self-appointed holy warriors. >>> Leia mais, clique aqui.



Veja mais:

21/03/2009


Nenhum comentário: