Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 15 de novembro de 2009

"No radar" do Oriente Médio, Brasil busca influenciar


Os artigos sobre Israel sempre atualizados você encontra aqui.



FSP (15/11/2009)


"Israelense, iraniano e palestino quiseram vir"


Amorim diz que interesse nas visitas partiu dos líderes do Oriente Médio


Chanceler afirma não ver isolamento internacional do Irã e descarta "infiltração" do país na América Latina, o que é denunciado por Israel


DA COLUNISTA DA FOLHA

Neste trecho da entrevista, Celso Amorim avalia a aproximação do Brasil do Oriente Médio, evidenciada pelas visitas dos líderes israelense, iraniano e palestino ao país. (EC)


FOLHA - O Brasil vê algum avanço nas negociações do Oriente Médio com a troca de Bush por Obama?

AMORIM - Para falar a verdade, não temos visto avanços, não. Pelo contrário, o anúncio da renúncia de Mahmoud Abbas [presidente da Autoridade Nacional Palestina, de buscar a reeleição] é sinal de fadiga de alguns líderes que estão perseguindo justamente a linha pacífica e do diálogo.


FOLHA - Qual a pretensão do Brasil ao receber no mesmo mês Shimon Peres (Israel), Mahmoud Abbas e Mahmoud Ahmadinejad (Irã)?

AMORIM - Não se trata de pretensão. Eles têm interesse em vir porque acham que o Brasil pode ter um papel no Oriente Médio. E há também interesses bilaterais. O nosso comércio com Israel passou de US$ 1 bilhão, e eles têm interesse inclusive na área aeronáutica. Com o Irã, chegou a US$ 2 bilhões, antes de cair, porque todos caíram com a crise. No caso da Autoridade Nacional Palestina, o interesse comercial é modesto, mas queremos ter boas relações com eles, queremos ajudá-los.


FOLHA - Como o Brasil, tão longe, fora do eixo de poder, pode se meter no Oriente Médio?

AMORIM - Tem de perguntar para eles, porque eles é que vieram aqui. Se o Brasil estivesse dando uma de oferecido, nem ia ser recebido tão bem. Eles diriam "bye bye, tchau", não precisariam estar se deslocando para discutir, entre outras coisas, o Oriente Médio. O Brasil é um país grande, com peso no sistema multilateral, e há também a figura do presidente Lula, que é visto como conciliador, tem carisma.


FOLHA - O que o Brasil lucra recebendo o presidente do Irã, que sofre isolamento internacional e fortes reações internas?

AMORIM - Não vejo nenhum isolamento internacional. Ao contrário, pela primeira vez, os americanos estão sentando à mesa com os iranianos, inclusive para debate nuclear. Quanto às questões internas, não nos cabe fazer nenhum juízo de valor sobre o presidente do Irã. Eles têm muito interesse na área de energia, do biocombustível a hidrelétricas, e nós, na área de alimentos, de agricultura, de cooperação. E podemos conversar sobre vários temas internacionais, sobretudo sobre o Oriente Médio mesmo. O Irã é um ator importante na região, com 80 milhões de habitantes e uma história grande. Não é uma questão que dependa de a pessoa gostar ou não.


FOLHA - Como dialogar com Ahmadinejad sobre a região, após ele pregar "varrer Israel do mapa"?

AMORIM - As pessoas mudam. Podem notar que tais afirmações não beneficiam seu país.


FOLHA - O governo monitora as manifestações contra ele, no dia 23?

AMORIM - Não sei de nada. A única coisa que vi foi uma faixa lá no Rio que deduzi ser do movimento gay, e acho muito bom. O Brasil é uma democracia, todos têm direito a se manifestar.


FOLHA - Já Israel diz que há uma "infiltração iraniana" na América do Sul, a partir da Venezuela.

AMORIM - É que as pessoas precisam viver sempre com um pesadelo. Antigamente, era a infiltração soviética. Agora, como não existe mais URSS, é o iraniano, não sei mais quem. Nada disso tem procedência nem ameaça o Brasil.



"No radar" do Oriente Médio, Brasil busca influenciar


Poder de converter visibilidade em peso político é limitado


MARCELO NINIO

DE JERUSALÉM


A sequência de líderes do Oriente Médio que passará neste mês por Brasília, iniciada pelo presidente de Israel, Shimon Peres, comprova que o Brasil entrou no radar estratégico dos países da região, concordam especialistas e diplomatas. Mas a capacidade de converter essa visibilidade em peso político ainda é limitada.


Após Peres, será a vez de o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, se reunir com autoridades brasileiras, na próxima sexta-feira. Três dias depois, chega ao Brasil o controvertido presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.


Diante do presidente Lula, Peres elogiou a disposição do Brasil de participar do processo de paz entre israelenses e palestinos. Em entrevista a uma das principais emissoras de rádio de Israel, o chanceler Celso Amorim sugeriu que o Brasil também poderia intermediar na negociação com a Síria -mediada pela Turquia até a invasão de Gaza neste ano.


Ceticismo
Mas, no governo israelense, por trás das reações polidas ao desejo brasileiro de ganhar protagonismo na região, prevalece o ceticismo. Conforme resumiu um alto diplomata ouvido pela Folha, sob a condição de anonimato, para ter influência, "palavras não bastam".


"É preciso gastar tempo e gasolina", diz ele, em referência às muitas horas de voo exigidas nas mediações internacionais.


Para o diplomata, além de acumular mais quilometragem, o Brasil terá de mostrar "ideias concretas" se quiser ser levado a sério como mediador.


Do lado palestino, a pretensão brasileira de ter voz ativa no processo de paz é vista com muito mais simpatia.


Nimer Hamad, um dos principais assessores políticos do presidente Abbas, disse à Folha que, na conversa com Lula, será abordada a proposta brasileira de organizar uma conferência que amplie os limites da negociação além dos mediadores tradicionais.


Abbas também agradecerá o voto favorável do Brasil na ONU ao Relatório Goldstone, que acusa Israel de crimes de guerra durante a ofensiva militar na faixa de Gaza.


Se agrada em cheio aos palestinos, o apoio sistemático do Brasil às resoluções sobre o conflito propostas pelo bloco árabe-muçulmano na ONU alimenta o ceticismo entre os israelenses de que o governo Lula possa servir como mediador imparcial da disputa.


Para o palestino Samir Awad, professor de relações internacionais da Universidade Bir Zeit, o Brasil tem todas as condições para promover o "arejamento" do processo de paz, conforme a ambição já manifestada por Celso Amorim.


"É um país sem interesses diretos na região e que já provou suas intenções pacíficas ao renunciar ao uso militar da energia nuclear", diz Awad.


"Além disso, o desgaste da mediação americana abre uma janela a novos protagonistas, e o Brasil sem dúvida está entre os que podem contribuir", completa o acadêmico.



Processo de paz empaca, e país ganha relevo


DE JERUSALÉM


Ironicamente, o Brasil passou a ter mais importância para a diplomacia israelense em função da queda na expectativa de que o processo de paz avance na região.


A nomeação do linha-dura Avigdor Liberman como ministro das Relações Exteriores, no início do ano, levou a uma clara mudança de foco em relação a sua antecessora, Tzipi Livni, hoje líder da oposição.


Em um documento que lista as prioridades para o próximo ano, enviado há poucos dias às representações diplomáticas de Israel no mundo, as palavras "palestinos" e "Síria" não são mencionadas nenhuma vez.


Ao mesmo tempo, o antigo esforço para melhorar as relações com o mundo árabe caiu para o fim da lista de prioridades, sendo substituído pelo fortalecimento dos laços com países emergentes, sobretudo os que compõem o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China).


Yigal Palmor, porta-voz do ministério, nega que o aumento do interesse israelense no Brasil, reforçado pela visita de Liberman ao país, em julho, tenha como motivação conter a penetração iraniana na América Latina. Mas admite que o tema causa desconforto nas autoridades de Israel.


"As ações do Irã causam preocupação em todas as regiões. A América Latina não é exceção", diz Palmor. (MN)



FSP online (15/11/2009)


Estadão (15/11/2009)


Terra (15/11/2009)


G1 (15/11/2009)


Último Segundo (15/11/2009)


Uol Internacional / Mídia Global (15/11/2009)


IHU (15/11/2009)

  • Ideias de Heidegger sob novo ataque: Por décadas, o filósofo alemão Martin Heidegger foi tema de debates acalorados. Sua crítica do pensamento e da tecnologia ocidentais penetrou profundamente na arquitetura, na psicologia e na teoria literária e inspirou alguns dos mais importantes movimentos intelectuais do século XX. Mas Heidegger foi também um nazista fanático. A reportagem é de Patricia Cohen, do jornal New York Times, e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 15-11-2009. Agora, um livro a ser lançado brevemente em inglês, retoma o debate quanto a se o homem pode ser separado da sua filosofia. Baseado em novas evidências, o autor, Emmanuel Faye, afirma que as ideias racistas e fascistas estão tão entremeadas nas teorias de Heidegger que não merecem mais ser chamadas de filosofia. Assim, as obras e as muitas áreas criadas a partir dessas teorias têm que ser reexaminadas, diz o autor, de modo a não disseminarem ideias sinistras e perigosas para o pensamento moderno quanto foi sinistro e perigoso o "movimento nazista para os povos exterminados". Publicado pela primeira vez na França em 2005, o livro, Heidegger: Introdução do Nazismo na Filosofia, exorta professores de filosofia a tratarem a obra de Heidegger como discurso odioso. E também as livrarias deveriam abandonar a classificação dos trabalhos do filósofo (que foram saneados e condensados pela família) como filosofia para incluí-los dentro da história do nazismo. Essas medidas funcionariam como sinal de advertência, do mesmo modo que a caveira na etiqueta de uma garrafa de veneno, para impedir a difusão descuidada das suas mais odiosas ideias, que Faye cataloga como a exaltação do Estado em relação ao indivíduo, a impossibilidade da moralidade, o anti-humanismo e a pureza racial. >>> Leia mais, clique aqui.


Aurora Digital (15/11/2009)


BBC Brasil (14/11/2009)


Deutsche Welle (14/11/2009)


Leia mais:


Veja mais:

14/11/2009

13/11/2009

Nenhum comentário: