Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 14 de novembro de 2009

Serra a Shimon Peres: “aqueles que praticam ou promovem o - terrorismo não são nossos interlocutores”


Os artigos sobre Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1

Vaad Hashoa Brasil – Comitê do Holocausto Brasil (12 e 13/11/2009)


Destaque 2


Destaque 3

  • Reinaldo Azevedo (14/11/2009): SERRA A SHIMON PERES: “AQUELES QUE PRATICAM OU PROMOVEM O- TERRORISMO NÃO SÃO NOSSOS INTERLOCUTORES”: Lá vêm patrulha e chiadeira, como de costume. Danem-se os patrulheiros e os que chiam. O presidente de Israel, Shimon Peres, esteve anteontem com Lula. E se encontrou ontem com o governador de São Paulo, José Serra. De Lula, ouviu a pregação da necessidade do diálogo com o Irã. Na coletiva, saiu-se com aquele o raciocínio esplendoroso segundo o qual é preciso negociar a paz com quem não quer a paz — tentava justificar a visita de Mahmud Ahmadinejad ao Brasil. Também tentou ensinar Peres a melhor maneira de lidar com o Irã… Serra fez um pequeno discurso na visita de Peres a São Paulo. A íntegra está aqui. Falou sobre democracia, terrorismo, o estado palestino, a diplomacia, o valor da política. Trata-se de um discurso primoroso. >>> Leia mais, clique aqui.


Destaque 4

  • Revista Isto É (edição 2088 - 18/11/2009): Outros muros precisam cair: (...) No Oriente Médio, Israel constrói desde 2002 um muro com até oito metros de altura para separar o país da Cisjordânia, sob o argumento de bloquear a entrada no país de terroristas palestinos. Mais da metade da barreira de cerca de 700 quilômetros - chamada por Israel de "Parede de Segurança" - está concluída. Batizada no lado oposto como "Muro de Apartheid", a construção tem um problema extra: avança sobre território palestino. Pelo traçado do projeto, apenas 20% da obra, quando concluída, terá seguido a demarcação reconhecida internacionalmente como fronteira entre Israel e Cisjordânia, que foi estabelecida no armistício de 1948.


O Globo (14/11/2009)


FSP (14/11/2009)


FSP online (14/11/2009)


Estadão (14/11/2009)


JB (14/11/2009)


Terra (14/11/2009)


G1 (14/11/2009)


Último Segundo (14/11/2009)


Uol Internacional / Mídia Global (14/11/2009)


Aurora Digital (14/11/2009)


Leia mais:


Veja mais:

13/11/2009

12/11/2009

11/11/2009

10/11/2009

Nenhum comentário: