Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 8 de novembro de 2009

Purificar e destruir - Usos políticos dos massacres e dos genocídios


Os artigos sobre Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1

  • Kristallnacht (09 de novembro de 1938)
  • O diário de Mary Berg - Memórias do gueto de Varsóvia: Sobrevivente do holocausto, Mary Berg escreveu um diário em polonês com uma espécie de código especial, onde contava as experiências de sua família no gueto de Varsóvia. Com um impressionante relato a autora descreve toda a organização do gueto e a luta diária de seus moradores pela sobrevivência.
  • Purificar e destruir - Usos políticos dos massacres e dos genocídios: Este livro, excepcional em todos os pontos, é fruto de muitos anos de trabalho no âmbito de um programa do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, o CNRS. Ele propõe um enfoque fortemente transdisciplinar e comparativo, tentando “pensar” os processos de violência que desembocaram em massacres e genocídios da época moderna. Como tais crimes em massa foram possíveis? Quais manipulações da linguagem e dos espíritos intervieram para preparar a “passagem ao ato”, sobretudo com a elaboração prévia de um imaginário e de justificativas? Como se articula e alucina a mecânica do assassínio? O autor baseou fundamentalmente sua investigação em vários exemplos: a Shoah judaica da Segunda Guerra Mundial, as limpezas étnicas da ex-Iugoslávia, o genocídio da população tutsi de Ruanda e, ainda, os genocídios armênio e cambojano. Devido à amplitude da documentação utilizada, à riqueza das referências bibliográficas e à exigência permanente da análise, este livro é, ao mesmo tempo, vertiginoso e sem equivalente. Nunca, sem dúvida, se havia abordado de tão perto esse enigma insondável, esse “buraco negro” diante do qual a compreensão humana titubeia.


Destaque 2


Destaque 3



O Globo (08/11/2009)


FSP (08/11/2009)


FSP online (08/11/2009)


JB (08/11/2009)


ZH (08/11/2009)


Terra (08/11/2009)


G1 (08/11/2009)


Último Segundo (08/11/2009)


Uol Internacional / Mídia Global (08/11/2009)


Aurora Digital (08/11/2009)


BBC Brasil (07/11/2009)


Deutsche Welle (07/11/2009)


Leia mais:


Veja mais:

07/11/2009

06/11/2009

Nenhum comentário: