Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 27 de fevereiro de 2010

O judeu Jesus que mudou a vida do grande rabino de Roma

IHU (27/02/2010)

  • O judeu Jesus que mudou a vida do grande rabino de Roma: Mudou-a a tal ponto que se fez batizar na Igreja Católica. Seu livro O Nazareno foi reeditado e resenhado no L’Osservatore Romano por uma expert judia. Entretanto, vai à gráfica o segundo volume do Jesus de Nazaré de Bento XVI. A reportagem é do vaticanista Sandro Magister e está publicada no blog Chiesa.it, 24-02-2010. A tradução é do Cepat. Foi a um rabino judeu o primeiro a quem lhe confiou, no dia seguinte à visita à Sinagoga de Roma, em 18 de janeiro passado, que havia terminado de escrever seu livro sobre Jesus. O rabino é o norte-americano Jacob Neusner, e o autor do livro, Bento XVI. O primeiro volume do Jesus de Nazaré, do Papa Joseph Ratzinger, foi publicado há três anos. E agora está perto da tradução e da impressão o segundo e último volume da obra, dedicado à paixão e ressurreição de Jesus e aos evangelhos da infância. Entretanto, com chamativa coincidência, chegou às livrarias por estes dias na Itália a reimpressão de outro importante livro sobre Jesus, intitulado Il Nazareno, escrito há mais de 70 anos por um grande rabino italiano. Não apenas isso. Desta nova edição desse livro foi publicada, em 20 de fevereiro, no L’Osservatore Romano, uma resenha muito positiva, escrita por uma especialista afamada, Anna Foa, judia, professora de História na Universidade de Roma La Sapienza. Esta resenha significa também uma novidade importante. O autor do livro, Israel Zoller, foi grão-rabino da comunidade judaica de Roma. E em 1945 se converteu à fé católica. Sua ressonante conversão perturbou fortemente a comunidade judaica romana e italiana, que lançou sobre ele um silêncio que durou décadas. A resenha de Anna Foa no “jornal do Papa” quebrou definitivamente este silêncio. E, além disso, reconheceu que nesse livro, escrito muitos anos antes da conversão de seu autor, já “sugeria nas entrelinhas um reconhecimento da messianidade de Cristo”. >>> Leia mais, clique aqui.


Nenhum comentário: