Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 22 de julho de 2012

Amidá / Shemonê Esrê


Profa. Dra. Cláudia Andréa Prata Ferreira (UFRJ)
(julho de 2012)

A oração Shemonê Esrê (“18 bênçãos”) é a principal oração da liturgia judaica. A oração é também conhecida pelo nome de Amidá que, em hebraico, significa “em pé”. A oração recebeu a denominação de Amidá por ser a única parte do serviço de orações a qual devemos permanecer de pé, (desde que estejamos em condições para assim ficar). (1) Composta no início do período do Segundo Templo pelos Anshei Knesset HaGuedolá, os Membros da Grande Assembleia, esta oração foi organizada em sua forma atual sob a orientação do Raban Gamliel II.

A Amidá apesar de conhecida como as “18 bênçãos” possui na realidade, 19 preces, cada uma concluindo-se com uma bênção. Originalmente, a Amidá continha apenas 18 preces, mas a 19ª foi adicionada na era Talmúdica. 

Os fiéis recitam a Amidá em silêncio, de pé, com os pés juntos, voltados na direção do Templo de Jerusalém (Mizrach – hebraico, significa “nascente”, “leste”, “oriente” – direção das  orações para os judeus que vivem no Ocidente). Antes de começar, o devoto dá três passos atrás e três passos à frente, colocando-se simbolicamente ante a presença de Deus. Ao acabar, ele se retira da presença de Deus repetindo o procedimento. (2)

Notas:
(1) Morashá (edição 76, junho de 2012): “Em hebraico, Shemonê Esrê significa, literalmente,“dezoito”. A oração original consistia de dezoito bênçãos, mas adicionou-se, posteriormente, uma décima-nona. Contudo, seu nome não foi mudado. O Zohar, obra fundamental da Cabalá, chama a oração de Amidá – a prece “em posição vertical”, por ser recitada de pé. Os dois nomes são igualmente usados”.
(2) Para um estudo mais aprofundado sobre a Amidá / Shemonê Esrê:
GRINBERG, Sérgio. A arte de dizer amên. São Paulo: Maayanot, 2008. p.61-72.
KIRZNER, Yitzchok e AIKEN, Lisa. A arte da prece judaica.  São Paulo: Maayanot, 2001.
MORASHÁ. Revista Morashá. São Paulo: Morashá (edição 76, junho de 2012):

Veja mais:

Nenhum comentário: