Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Celso Lafer: O Brasil, sua gente e o Oriente Médio


Estadão (15/07/2012): Celso Lafer: O Brasil, sua gente e o Oriente Médio: O Itamaraty realizou em 10 de julho mesa-redonda sobre a construção da paz no Oriente Médio, a partir do ângulo dos insumos criativos que a esse processo possam dar expoentes das comunidades de origem árabe e judaica de países do Mercosul. (...) A experiência brasileira contrasta favoravelmente com a de outros países. Trata-se, assim, de um válido ativo de soft power num mundo fragmentado e permeado por xenofobias, preconceitos e dificuldades em relação ao diferente dos Outros. Não custa lembrar que as culturas perecem no isolamento e se vivificam na interação recíproca. Daí as virtudes e as virtualidades do nosso amálgama. (...) Concluo, por isso, que um dos objetivos do evento do Itamaraty é o de, valendo-se da experiência brasileira, reforçar o alcance da cultura de paz no Oriente Médio. Isso significa, no plano interno, preservar o Brasil de eventual intromissão dos ódios dos conflitos do Oriente Médio em território nacional, sempre um risco com a globalização, que internaliza o mundo na vida dos países. (...) Estas reflexões estão lastreadas nas observações de um estudioso das relações internacionais e na experiência da chefia, em duas oportunidades, do Itamaraty e que, ademais, tem consciência de suas raízes judaicas e do valor primordial da paz - o bem dos bens - na tradição judaica. O Pirkê Avot - A Ética dos Pais -, que recapitula os ensinamentos dessa tradição, preceitua: "Hilel diz: Sê dos discípulos de Aarão, ama a paz e busca a paz" (I. 12). Esse preceito aponta para a necessidade de se empreender um dedicado e contínuo esforço em prol da paz - sempre esquiva conquista da razão política -, posto que, como também ensina A Ética dos Pais, "o mundo se sustenta em três coisas: a verdade, a justiça e a paz" (I. 18) - ensinamento que igualmente compartilho na condição de professor de Filosofia do Direito. >>> Leia mais, clique aqui.

Nenhum comentário: