Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sábado, 24 de maio de 2008

As ambigüidades de uma repressão

Em Caça às Suásticas, Ana Maria Dietrich investiga atuação da polícia política de Getúlio Vargas contra o partido nazista de SP

Francisco Quinteiro Pires

Movida por uma determinação bem pessoal, a historiadora Ana Maria Dietrich começou a vasculhar, no acervo do Departamento de Ordem Política e Social (Deops), do Arquivo do Estado de São Paulo, a presença do nazismo em São Paulo. A princípio, ela desejava desvendar mistérios da própria família. Seu avô lutou na 2ª Guerra Mundial (1939-1945) e morou no Brasil. Desse desejo nasceu Caça às Suásticas - O Partido Nazista em São Paulo sob a Mira da Polícia Política, em que ela trata do combate do Estado varguista ao nazismo - com arbitrariedades e interpretações subjetivas da lei pelos policiais - entre os anos 1930 e 1940.

''A importância de estudar os regimes totalitários é que as pessoas podem se tornar mais adeptas da paz e se pode evitar o surgimento de movimentos extremistas no presente'', ela diz. O neonazismo tem uma raiz no desconhecimento histórico. Professora de história contemporânea na Universidade Federal de Viçosa, Ana Maria Dietrich diz que entre 1928 e 1938 o partido nazista no Brasil agiu livremente, com a conivência das autoridades. É conhecida a simpatia de Filinto Müller, chefe da polícia no Rio, pelo ideário hitlerista, além da aproximação do Brasil com a Alemanha, a partir ascensão de Hitler, em 1933, lembra a historiadora.

Segundo Dietrich, havia festividades nazistas nos estádios brasileiros com o desfile de suásticas (emblema oficial do 3º Reich). Essa liberdade de ação se deveu à posição dúbia do governo de Getúlio Vargas em relação à 2ª Guerra Mundial até a adesão militar aos Aliados se consumar em 1942. ''A neutralidade é ambígua, porque esconde interesses'', ela diz.

''Mas houve um ruído diplomático entre Brasil e Alemanha depois de 1938'', ela diz. Foi em 1938, um ano depois de instalado o Estado Novo, que houve a proibição de partidos políticos estrangeiros. O cerco aos nazistas aumentou - o partido caíra na clandestinidade -, mas ele não seria nada comparado ao de 1942 em diante, quando ''todo alemão é suspeito de nazismo''. Até as atividades culturais eram classificadas de nazistas e reprimidas. Segundo a autora de Caça às Suásticas (Imprensa Oficial, 385 págs., R$ 40), a polícia política varguista detinha os ''peixes pequenos'' e não os líderes do partido. ''Eles pegavam quem andava falando alemão na rua'', ela conta.

A ação policial adotava a lógica da desconfiança e se baseava na idéia da ''polícia do pensamento'', termo emprestado por Ana à filósofa alemã Hannah Arendt. O público e o privado perdem a distinção, nesse caso. Ao receber amplo poder do Estado, legitimidade conferida já na Lei de Segurança Nacional, de 1935, os policiais perderam a noção sobre a proposta original de atuação. A intervenção no imaginário social era uma das estratégias, como o estímulo à delação, dando a sensação de que o delator contribuía para a manutenção da ordem, ameaçada pelos nazistas. A margem de ação - e de arbitrariedades - da polícia encontrou terreno para se ampliar durante a guerra, quando se instalou um Estado especial: os alemães eram inimigos políticos e militares.

Segundo pesquisas de Ana Maria, no Brasil o partido nazista chegou a reunir 2,9 mil integrantes, dos quais 785 estavam em São Paulo. Eles se espalharam por 17 Estados. ''O partido nazista brasileiro era o segundo maior grupo fora da Alemanha.'' A comunidade alemã naquele período reunia cerca de 230 mil indivíduos. O partido nazista teve atuação em 83 países. ''Aqui não havia o objetivo de instalar o nazismo'', ela diz. Mas os documentos mostram que o partido hitlerista no País era organizado e recebia diretrizes diretamente de Berlim.

O maior agrupamento de nazistas era em São Paulo, porque no partido só se aceitavam alemães e não descendentes. O Estado paulista recebeu uma leva vinda com a crise da República de Weimar nos anos 1920. ''Por isso havia mais partidários em São Paulo do que na Região Sul, cujas comunidades estavam na terceira geração.''

Extraído de:
Estadão, Caderno 2, em 24/05/2008.

Nenhum comentário: