Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

O plano saudita de combate ao terrorismo e o renascimento da Al Qaeda no Yemen

O Globo (Mundo, p.15, em 24/02/2009)


Socorro americano a Gaza

EUA preveem US$ 900 milhões para reconstruir área arrasada e sua influência na região


Gilberto Scofield Jr.

Correspondente
WASHINGTON


A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, fará na semana que vem sua primeira visita ao Oriente Médio numa viagem a Israel e à Cisjordânia, segundo fontes do governo. Hillary viaja levando uma boa notícia para a área de conflito: o país planeja oferecer um empréstimo de US$ 900 milhões para ajudar a reconstruir a Faixa de Gaza, devastada pela guerra entre militantes do Hamas e o Exército de Israel, e a fortalecer a Autoridade Nacional Palestina (ANP), um interlocutor de Washington na região.


Como o governo americano não possui contatos diretos com o Hamas, que administra a Faixa de Gaza em nome dos palestinos e já se disse “comprometido a destruir o Estado de Israel”, o dinheiro será distribuído através das Nações Unidas e de outras organizações que trabalham na região. O conflito em Gaza deixou 1.300 palestinos mortos e estimase que os prejuízos somem cerca de US$ 2 bilhões. A data da viagem de Hillary não foi confirmada pelo Departamento do Estado.


Antes de virar realidade, no entanto, o empréstimo precisa ser aprovado pelo Congresso americano, o que pode ser uma tarefa nada fácil num momento em que os EUA se esforçam para resolver sua própria crise econômica e a ameaça de insolvência de seu sistema bancário.


— O dinheiro vai para Gaza e para a Autoridade Palestina, não para as mãos do Hamas — disse a fonte.


Em dezembro do ano passado, o então presidente George W. Bush já havia se comprometido a emprestar US$ 85 milhões à agência da ONU que provê ajuda humanitária a Gaza, Cisjordânia, Jordânia, Líbano e Síria. O novo empréstimo vai usar parte deste dinheiro e tem o objetivo indisfarçado de financiar a ANP, ajudando-a a expandir sua área de influência — e seu discurso conciliador — para além da Cisjordânia, numa região marcada por radicalismos de ambos os lados.


Os quatro mediadores do conflito palestino — EUA, União Europeia, ONU e Rússia — devem se encontrar no próximo dia 2 de março no Egito, quando doadores do mundo árabe e ocidentais se reúnem para levantar fundos para a reconstrução da região. É neste encontro que Hillary Clinton deve anunciar o empréstimo.


Trabalhista recusa oferta do Likud

De lá, a secretária segue para Israel para dois dias de encontros com os principais líderes do país, chegando num momento em que o líder do partido direitista Likud, Benjamin Netanyahu, amarra o seu governo de coalizão. Ontem, o Partido Trabalhista israelense recusou o convite de Netanyahu para integrar o governo e formar uma coalizão moderada. O líder trabalhista, Ehud Barak, disse que o partido ficará na oposição.


Na véspera, o partido de centro Kadima havia respondido de forma similar à proposta do Likud. Sem os trabalhistas e o Kadima, a tendência é que se forme em Israel uma coalizão de partidos de direita com uma posição mais dura em relação aos palestinos. A expectativa é que, com isso, sejam minados os esforços para as negociações de paz. No entanto, um governo nessa linha deve enfrentar forte oposição na Europa e nos Estados Unidos.


Ontem, ministros de Relações Exteriores europeus reunidos em Bruxelas defenderam com veemência a retomada das negociações de paz entre Israel e os palestinos, depois da formação do novo governo israelense, frisando que a solução passa pela criação de um Estado palestino. O chefe da diplomacia da UE, Javier Solana, inicia hoje uma viagem ao Oriente Médio para tentar relançar o processo de paz depois das eleições israelenses.



Estadão (24/02/2009)


JB (24/02/2009)


FSP (24/02/2009)


FSP online


BBC Brasil


Revista Veja


Deutsche Welle (23/02/2009)


G1 (23/02/2009)


Aurora Digital (Israel)


El Reloj (24/02/2009)


El País (24/02/2009)


Ahmed & Salim



Veja mais:

23/02/2009

22/02/2009

21/02/2009

Nenhum comentário: