Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

David Borensztajn: O Corão e os judeus


Os artigos sobre Estudos Judaicos e Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1


Destaque 2

  • Gentiuno – Gente Del siclo XXI: O site é produzido por um grupo de jornalistas e intelectuais judeus e não judeus da Venezuela que é um primor. Artigos interessantes e entrevistas sobre a situação das comunidades em nosso continente. (Dica: Sheila Sacks)


Destaque 3


Destaque 4


Destaque 5

  • “El Reino de Israel existía en el siglo 10 a. C.”: Un gran avance en la investigación de la Biblia arrojó nueva luz sobre el período en que la Biblia se podría haber escrito, con el testimonio de la escritura del hebreo descubierta y que data del siglo 10 AC, anunció la Universidad de Haifa. El profesor Gershon Galil, del Departamento de Estudios Bíblicos en la Universidad de Haifa, recientemente descifró una inscripción que data del siglo 10 aC, y demostró que se trataba de una inscripción en hebreo, lo que representa la escritura hebrea más antigua conocida. ste avance indica que al menos algunas de las escrituras son de cientos de años antes de las fechas que se supusieron, y que el Reino de Israel ya existía en ese momento. El siglo 10 a. C. fue el período del reinado del rey David. La inscripción en sí, que fue escrita en tinta sobre un trozo de cerámica de 15 x 16,5 cm, se descubrió un año y medio atrás en las excavaciones que llevó a cabo el profesor Iosef Garfinkel en Khirbet Qeiyafa, cerca del Valle de Elah. Aunque fue datada en el siglo 10 aC, no estaba inmediatamente claro si fue escrita en hebreo o en otro idioma local. >>> Leia mais, clique aqui.


Destaque 6



Jornal Nacional (12/01/2010)

  • Morre mulher que ajudou Anne Frank no holocausto: Miep Gies era uma das poucas pessoas que conheciam o esconderijo da família Frank e de mais quatro pessoas em Amsterdam. Eles ficaram sem sair do local por dois anos.
  • Físico nuclear iraniano é morto em Teerã: O governo do Irã acusa Israel e os Estados Unidos pelo atentado. A Casa Branca classificou a acusação de absurda. (...) Nesta terça-feira, também em Teerã, começou o julgamento de sete líderes Bahá'í, uma religião que surgiu na antiga Pérsia, que hoje é proibida no Irã. Eles são acusados de espionagem para Israel, blasfêmia contra santidades islâmicas, incitamento contra o governo e de espalhar a corrupção no país. E podem ser condenados à morte por isso. As duas mulheres e os cinco homens estão presos há quase dois anos. Em todo o mundo, os Bahá'í são 7 milhões. Os 300 mil que vivem no Irã denunciam que têm sido perseguidos e hostilizados desde a Revolução dos Aiatolás, em 1979. A sede mundial Bahá'í fica hoje na cidade israelense de Haifa. Nos Estados Unidos, o departamento de Estado condenou o julgamento de pessoas que, segundo o governo americano, estão presas sem nenhuma prova de culpa. Líderes Bahá'í de outros países, inclusive do Brasil, também condenaram a prisão e o julgamento do grupo no Irã. "É uma comunidade internacional, onde em todos os países é reconhecida como uma comunidade pacífica, que trabalha para o estabelecimento da paz, da harmonia. Então, realmente, não tem nenhum fundamento essas acusações, agora a perseguição é implacável", declarou GUITTY MILANI, do colegiado da comunidade Bahá'í. >>> Texto e vídeo, clique aqui.


Deutsche Welle (12/01/2010)


Zenit (12/01/2010)

  • Tumba em Jerusalém confirmaria autenticidade do Santo Sudário: A “Tumba do Sudário”, recentemente descoberta em Jerusalém, confirmaria a autenticidade do Santo Sudário. É o que afirma o físico do Centro Espanhol Sindologia, César Barta. Arqueólogos da Universidade Hebraica encontraram, recentemente, fragmentos de um sudário numa tumba da primeira metade do século I, no cemitério de Haceldama, o “Campo de Sangue” que teria sido comprado com as 30 moedas recebidas por Judas. A tumba está localizada no vale inferior do Hinnon, ao lado do túmulo de Anna, sogro de Caifás, o que parece indicar que se tratava de uma pessoa de família nobre ou sacerdotal. Segundo o especialista em tecidos antigos Orit Shamir, os tecidos utilizados para envolver o corpo são de boa qualidade, condizentes com uma pessoa de posses, mas ainda assim muito menos elaborado que o tecido do Santo Sudário de Turim. O estudo foi publicado no periódico PloS ONE Journal, apresentando a descoberta como uma evidência que colocaria em dúvida a autenticidade do Sudário de Turim. Os autores “concluem que este último não corresponde à mesma época dos fragmentos encontrados na tumba. >>> Leia mais, clique aqui.
  • Gratidão da Terra Santa a Bento XVI: Bento XVI “não perde nenhuma oportunidade de recordar a todos, em todas as sedes, a importância e a sensibilidade” do Oriente Médio, “sublinhando também os direitos fundamentais que ambas as populações têm e fazendo-o com muita clareza”. “Por isso, há uma grande gratidão por parte da população” a ele, afirmou ontem o Pe. Pierbattista Pizzaballa, custódio da Tierra Santa, em uma entrevista divulgada pela Rádio Vaticano. A ação do Papa, observou o custódio, é particularmente importante em um momento no qual a situação do Oriente Médio se converteu ainda em mais difícil por causa da decisão do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de construir uma barreira ao longo da fronteira com o Egito, para impedir a entrada dos imigrantes clandestinos procedentes da África, definidos por ele como “terroristas”. O premier assegurou, não obstante, que Israel continuará acolhendo os prófugos que procedem de regiões de conflito. >>> Leia mais, clique aqui.
  • Íntima relação entre Antigo e Novo Testamento na liturgia cristã: Em seu artigo, originalmente escrito em inglês, o Pe. Paul Gunter, OSB, professor do Pontifício Instituto Litúrgico de Roma e consultor do Ofício de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice, apresenta a relação entre o Antigo e o Novo Testamento na liturgia cristã. Convidamos os leitores a fazerem uma leitura atenta, frase por frase, desta contribuição, sintética em extensão, ainda que densa nos conteúdos e rica em ideias úteis para posteriores aprofundamentos. (Mauro Gagliardi) >>> Leia mais, clique aqui.


Instituto Millenium

  • David Borensztajn (11/12/2009): O Corão e os judeus: A relação do Islã com os judeus e o ódio pregado textualmente no Corão vem desde o tempo de Maomé que, insatisfeito com a resistência dos judeus que viviam na Arábia, e que não queriam se converter à nova religião por ele criada, passou a hostilizá-los, a combatê-los e a nomeá-los como inimigos. O Islã funda-se num tripé constituído pelo Corão, pelos Hadiths que são comentários ao Corão e pela vida de Maomé, considerado o mais perfeito dos seres humanos que já habitaram o planeta. O Corão é imutável, não pode ser reescrito, o que faz com que não exista diferença entre seus seguidores ou fiéis, isto é, não existem os radicais nem os moderados, como tolamente ficam apregoando a mídia e os políticos ocidentais apaziguadores. O que há são muçulmanos que já adotaram o estilo de vida ocidental, com suas liberdades e costumes, ou seja, que se tornaram laicos. Não há no Corão qualquer alusão à moderação ou radicalização. >>> Leia mais, clique aqui.
  • David Borensztajn (02/12/2009): Antissemitismo latente: Com certeza você já deve ter ouvido muitas vezes que “aqui no Brasil antissemitismo não tem tradição histórica” ou que “no Brasil há tolerância religiosa”. Isto, no entanto, não é propriamente a verdade, e o antissemitismo de certos intelectuais brasileiros vem de longa data, para não falar de políticas oficiais antissemitas, como no governo de Getúlio Vargas, o que já foi longa e meticulosamente analisado por Maria Luiza Tucci Carneiro, no seu consagrado “O antissemitismo na Era Vargas”. Muito embora tenhamos uma lei com penas severas para o preconceito de religião, raça ou cor, ainda se podem encontrar, via internet ou sebos, muitos livros que propagam idéias e mitos sobre os judeus e sua suposta dominação do mundo, clichês que jamais cessaram de existir e que hoje estão presentes com muita força no mundo islâmico, através dos sermões dos mulás nas mesquitas, onde Israel é tido como o pequeno Satã que junto com os Estados Unidos procura dominar o planeta. Certo “erudito” brasileiro, nascido no final do século XIX, tem uma prolífica obra a respeito do que considera ser a influência judaica na História do Brasil. Estou me referindo a Gustavo Barroso, membro da Academia Brasileira de Letras, da Academia de História de Portugal, da Royal Society of London, do Instituto Coimbra de Portugal, da Sociedade de História Argentina e de mais uma porção de instituições do mesmo quilate, além de ter sido agraciado com muitas comendas, inclusive a Legião de Honra da França apenas para mencionar uma, tendo sido um dos maiores arautos de idéias nazistas no Brasil em seu tempo, além de partidário do integralismo, versão tupiniquim do nazi-fascismo. >>> Leia mais, clique aqui.


Carta Maior (11/01/2010)

  • Emir Sader: Política e religião: Misturar religião com política, ter Estados religiosos – Irã, Israel, Vaticano, como exemplos – desemboca em visões ditatoriais, até mesmo totalitárias. Na democracia, os direitos individuais e coletivos devem ser garantidos para todos, igualmente. >>> Leia o post na íntegra


Leia mais:


Veja mais:

12/01/2010

11/01/2010

10/01/2010


Nenhum comentário: