Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Imigração judia inverte tendência declinante em Israel


Os artigos sobre Estudos Judaicos e Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque

  • A identidade judaica: uma identidade religiosa?: A identidade judaica é discutida à luz do conceito de identidade social da Escola de Bristol (Tajfel, 1972), a partir da pergunta sobre se é possível conceber um judaísmo sem religião. A vida de Sigmund Freud, neste sentido, é emblemática, uma vez que o grande mestre da Psicanálise declara-se, durante muitos anos, cidadão austríaco admirador da cultura alemã, chegando a se assumir como judeu só depois da ascensão do nazismo. A distinção entre os planos do imaginário e do simbólico (Paiva, 2005) contribui para a compreensão do problema.
  • A história da recepção da Bíblia hebraica no Corão: possibilidades do diálogo inter-religioso a partir das fontes: O processo de recepção da Bíblia hebraica no Corão revela movimentos de aproximação e de distanciamento, ora evidenciando dependência – senão da fonte escrita ao menos da tradição oral – ora marcando posição própria a partir da experiência religiosa do profeta árabe. O elemento profético, próprio das três comunidades monoteístas, tem sua origem no antigo Israel. A religião profética, entendida como religião de resistência, serve de porta de entrada para proceder o estudo comparativo entre a profecia israelita e a profecia árabe. Surpreendentes pontos de encontro podem ser detectados, mas também o peculiar das duas vertentes proféticas ganha relevância. A recepção da Bíblia hebraica, ou melhor, de alguns de seus temas em suratas corânicas, ocorre no século VII da nossa era, um mundo permeado de uma cosmovisão gnóstica, determinando a leitura de temas e tradições. A narrativa de Abraão, examinada neste artigo, revela uma interessante dinâmica de interdependência na literatura que teve sua origem na Bíblia hebraica. Tradições sobre Abraão no Corão, por exemplo, pressupõem conhecimento da narrativa de Gênesis e de materiais recolhidos no Talmude. Ao verter-se a narrativa para o árabe, acontece um novo momento de releitura no encontro com o novo público. Esse produto final, ou parte dele, pode circular novamente na comunidade judaica, como o parece evidenciar uma passagem na literatura rabínica. O diálogo tenso entre o profeta árabe e a comunidade judaica em Medina também marcou a história da recepção; procura-se entender as posições diante de outro, assumidas nessas referências corânicas, a partir do contexto histórico do surgimento da comunidade islâmica primitiva.


O Globo (05/01/2010)


FSP (05/01/2010)


FSP online (05/01/2010)


Estadão (05/01/2010)


ZH (05/01/2010)


Terra (05/01/2010)


G1 (05/01/2010)


Último Segundo (05/01/2010)


Uol Internacional / Mídia Global (05/01/2010)

  • DS: O Ocidente está engasgado de medo
  • EP: Imigração judia inverte tendência declinante em Israel: "A 'aliya' [emigração judia para Israel] não é só o objetivo histórico supremo de nosso Estado, mas uma necessidade de primeira ordem para nossa segurança." As palavras que o primeiro-ministro David Ben Gurion pronunciou em um discurso no Knesset [Parlamento de Israel] em 1955 continuam hoje mais válidas que nunca, a julgar pelos esforços israelenses para atrair judeus de todo o mundo. Esses esforços, em forma de todo tipo de incentivos, deram seus frutos este ano, em que a crise financeira animou milhares de judeus de todo o mundo a instalar-se em Israel. Em consequência, pela primeira vez em uma década, o número de imigrantes judeus no país experimentou um forte aumento diante da tendência declinante dos últimos anos, segundo os últimos dados da Agência Judia, encarregada de promover esse tipo de imigração, e do Ministério de Absorção. A demografia nessa zona disputada do mundo é uma questão política de primeira ordem que preocupou sucessivos governos israelenses, diante do forte crescimento da população árabe. Esta semana aterrissou em Tel Aviv mais um avião com 210 americanos a bordo, e na pista os esperava uma recepção oficial com todas as honras. "Cada imigrante que chega a Israel fortalece o país e constitui um ativo estratégico", afirmou o presidente da Agência Judia, Natan Sharansky, durante a apresentação das últimas estatísticas há alguns dias, que refletem um aumento de imigrantes judeus de 17% em 2009 em relação ao ano anterior. Ao todo, assentaram-se em Israel 16.200 judeus, que se somam aos mais de 3 milhões de imigrados desde 1948, data da criação do Estado. >>> Leia mais, clique aqui.
  • EP: Al Qaeda se fortalece na região do Saara
  • EP: Cooperação reduzida entre países favorece sucesso do terrorismo no Saara
  • NYT: Quênia se prepara para deportar clérigo islâmico
  • NYT: Governo iraniano tenta censurar cineastas do país; artistas resistem


BBC Brasil (05/01/2010)


Aurora Digital (05/01/2010)


Deutsche Welle (04/01/2010)


Revista Época (04/01/2010)


Leia mais:


Veja mais:

04/01/2010

03/01/2010

02/01/2010

01/01/2010


Nenhum comentário: