Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Aventura em Teerã

Os artigos sobre Estudos Judaicos e Israel sempre atualizados você encontra aqui.



O Globo (14/02/2010)


FSP (14/02/2010)


Editoriais: Aventura em Teerã


Brasil deveria abandonar o papel de advogado de defesa do atual governo iraniano e cancelar a visita de Lula ao país


NO MOMENTO em que EUA e Irã acirram o embate em torno do programa nuclear do país persa, nada obriga o Brasil a alinhamentos automáticos.


Ao mesmo tempo em que é razoável duvidar da eficácia das sanções ora defendidas pelos norte-americanos, cumpre romper com o papel de advogado de defesa do autoritário governo iraniano -função que o país parece querer desempenhar desde a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad, em junho do ano passado.


Dentro do quadro que se configura, seria prudente suspender a viagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Irã, programada para maio, como contrapartida à vinda do mandatário iraniano ao Brasil, em 2009.


Razões pragmáticas e de princípios se unem para tornar recomendável o cancelamento. Sob violenta repressão policial, milhares de iranianos têm se manifestado contra as restrições aos direitos civis impostas pelo regime dos aiatolás.


Em resposta, a teocracia islâmica condena opositores à morte. Não faz sentido o Brasil apressar-se em ser compreensivo com um governo que enforca dissidentes. Foi isso o que fez, no entanto, logo após a controversa eleição de Ahmadinejad.


Não bastassem as circunstâncias políticas, agravam-se os confrontos relativos ao desenvolvimento de tecnologia nuclear pela república islâmica. As declarações do governo local a esse respeito não podem ser divorciadas da lógica da política interna do país. É recurso conhecido de regimes autoritários, ou que enfrentem crise de legitimidade, a tentativa de galvanizar o apoio da população em torno de algum projeto nacional, ao mesmo tempo em que se demonizam as críticas vindas do exterior.


O domínio do processo de enriquecimento do urânio é um projeto antigo dos iranianos, que afirmam persegui-lo apenas para uso energético e em tratamentos medicinais. O país, entretanto, dificulta a fiscalização da Agência Internacional de Energia Atômica e recusou, tal como apresentada, a proposta de EUA, França e outros países ocidentais de realizar o processamento do urânio no exterior.


Daí o desejo dos EUA de impor sanções. É razoável, em contrapartida, o argumento do chanceler Celso Amorim de que medidas que afetem a economia iraniana podem ser contraproducentes e dificultar um desenlace negociado. Ele também acerta ao condenar a recente bravata de Ahmadinejad, que alardeou a capacidade de produzir urânio enriquecido ao nível de 80%, próximo ao patamar necessário para fazer a bomba.


Se realizado, tal procedimento representaria uma clara violação ao acordo internacional de não proliferação de armas nucleares.


O modo como se desenvolverá o embate entre Irã e países ocidentais é imprevisível. O Brasil nada terá a ganhar ao se fazer representar, em maio próximo, no lugar errado, na hora errada.


A política externa brasileira, tradicionalmente conhecida por sua discrição, equidistância e passos seguros, tem sido marcada, em especial no segundo mandato do presidente Lula, por comportamentos erráticos e decisões trêfegas. Servem como exemplos o apoio incondicional, em Honduras, ao presidente deposto Manuel Zelaya e, no caso do Irã, ao governo de Ahmadinejad. O país saiu derrotado - e sua imagem, prejudicada- no primeiro caso. Ainda há tempo para reparar o erro, no segundo.



FSP online (14/02/2010)


Estadão (14/02/2010)


ZH (14/02/2010)


Terra ((14/02/2010)


G1 (14/02/2010)


Último Segundo (14/02/2010)


Uol Internacional / Mídia Global (14/02/2010)


Aurora Digital (14/02/2010)


Deutsche Welle (13/02/2010)


BBC Brasil (13/02/2010)


Leia mais:


Veja mais:

13/02/2010

12/02/2010

11/02/2010

10/02/2010


Nenhum comentário: