Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sexta-feira, 14 de março de 2008

Polêmica: Mundo árabe bicota Salão de Paris x boicote inclui alguns israelenses x entrevistas com escritores israelenses

Folha de São Paulo, Caderno Ilustrada, em 14/03/2008.

Mundo árabe boicota Salão de Paris

Boicote inclui alguns israelenses
Entrevista: "Os escritores árabes são hostis a Israel"
Entrevista: "Muita gente de boas intenções cai nessa cilada"


Mundo árabe boicota Salão de Paris

Escolha de Israel como homenageado provoca saída de quatro países e editores de outros; direção do evento lamenta "politização".

Entidades de escritores árabes e palestinos, além de representações de Irã, Iêmen, Arábia Saudita e Líbano, rechaçam salão.

ANA CAROLINA DANI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE PARIS

O Salão do Livro de Paris, um dos maiores eventos literários da Europa, será inaugurado hoje para o público sem a participação de diversos países e editores árabes, que protestam contra a escolha de Israel como convidado de honra.

A seleção de Israel no mesmo ano em que se comemoram os 60 anos da criação do Estado hebreu é vista, por parte do mundo árabe, como um apoio velado à política do premiê Ehud Olmert, principalmente às incursões israelenses em territórios palestinos.

Nas últimas semanas, as manifestações de protesto não pararam de aumentar, inclusive com vozes dissonantes mesmo entre intelectuais israelenses. A Isesco (Organização Islâmica para Educação, Ciências e Cultura) foi uma das primeiras entidades a se manifestar, pedindo publicamente aos seus 50 países membros que boicotassem o evento.

A União dos Escritores Palestinos e a União dos Escritores Árabes, com sede no Egito, também pediram às editoras que cancelassem os estandes no salão, que segue até a próxima quarta-feira.

Entre os países que se pronunciaram oficialmente, o Líbano, pedra angular da francofonia no mundo árabe, foi o primeiro a afirmar que não participaria do encontro em Paris, iniciativa seguida por Arábia Saudita, Iêmen e Irã. Editores de outros países, como Argélia, Marrocos e Tunísia, também cancelaram a presença.

Para o escritor e conselheiro cultural da Embaixada do Líbano em Paris, Abdallah Naaman, os escritores oficialmente convidados para representar a literatura israelense não representam o conjunto da população.

"Como explicar o fato de que todos os convidados escrevam em hebraico, quando sabemos que o árabe é muito presente no país, sem falar nos escritores que se exprimem em outros idiomas, como francês, russo e o inglês? A escolha do hebraico como única língua prova que uma parte importante da população é rejeitada", afirma ele.

Entre os organizadores, o sentimento é de surpresa. "Não é Israel que é convidado, mas sim a literatura israelense", diz o presidente do salão, Serges Eyrolles, que lamenta o que chama de "politização" do debate e insiste sobre a casualidade entre a participação de Israel e o aniversário de sua criação como Estado. "Tudo isso é uma grande coincidência. Eu mesmo só soube que neste ano se celebrava a criação de Israel em dezembro do ano passado."

Mas o argumento não convence todos. "O chamado campo da paz, formado por escritores como Amos Oz e Yehoshua e Grossman, é uma falácia. Eles não deram uma só palavra sobre os ataques recentes na Faixa de Gaza, que são uma forma de legitimação moral e cultural da política de Israel", diz Eric Hazan, um dos donos da La Fabrique, uma pequena editora francesa que publica obras traduzidas do hebraico e do árabe.

BOICOTE INCLUI ALGUNS ISRAELENSES
Os pedidos de boicote não ecoam somente no mundo árabe. Em Israel, Benny Ziffer, editor do caderno literário do jornal "Haaretz", declarou que "todo escritor israelense deveria, no fundo de sua consciência, boicotar o Salão do Livro de Paris".
Outros escritores israelenses, como Ilan Pappé, que vive na Inglaterra, e Aaron Shabtai se uniram às vozes dissonantes de Israel e não participarão.


entrevista

"Os escritores árabes são hostis a Israel"

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE PARIS

Avraham B. Yehoshua tem 71 anos, vive na cidade de Haifa e é considerado um dos mais importantes escritores israelenses da atualidade. Teve vários livros traduzidos no Brasil, entre eles "A Noiva Libertada" (Companhia das Letras). (ACD)

FOLHA - Como o senhor vê essa polêmica sobre a participação de Israel no Salão do Livro de Paris?
AVRAHAM B. YEHOSHUA - Eu lamento muito que os países árabes, principalmente os escritores e editores árabes, boicotem o Salão do Livro. Penso que os intelectuais deveriam, ao contrário, buscar o diálogo. Nós temos uma relação de paz com Egito, com a Jordânia. Estamos também negociando com os palestinos. Mas, finalmente, os escritores árabes sempre adotaram uma posição mais extremista, mais hostil à normalização das relações com Israel do que a posição adotada pelo governo e mesmo pela população de seus países.

FOLHA - Mas não são somente escritores e organizações árabes que fizeram um apelo ao boicote. Há também alguns escritores e intelectuais israelenses.
YEHOSHUA -
Aharon Shabtai é o único que conheço que se recusou a participar do salão. Ele sempre foi muito crítico com relação à Israel e tem uma ideologia muito, muito de esquerda.

FOLHA - O senhor se considera uma voz discordante e crítica à atual política de Israel?
YEHOSHUA -
Nós somos pessoas livres. Há momentos em que estamos de acordo com a política de Israel e outros em que não estamos de acordo. Nós dizemos o que pensamos. Quando somos atingidos por tiros de morteiros de Gaza, defendemos, evidentemente, que Israel dê a resposta.
Nós não somos pacifistas, mas somos pessoas que buscam a paz e que defendem o direito dos palestinos. Nós somos contra a instalação dos palestinos em território de Israel, mas defendemos um Estado palestino criado ao lado de Israel.


entrevista

"Muita gente de boas intenções cai nessa cilada"

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE PARIS

Aharon Shabtai foi o único escritor israelense que recusou o convite oficial para participar do Salão do Livro de Paris. Aclamado como um dos maiores poetas da atualidade em Israel, o escritor falou de Tel Aviv à Folha sobre o seu boicote. (ACD)

FOLHA - Por que o senhor recusou o convite oficial para participar do Salão do Livro em Paris?AHARON SHABTAI - Porque o que o governo de Israel faz hoje é uma verdadeira estratégia de massacre e limpeza étnica contra os palestinos.
Acho que o mundo e a Europa deveriam ajudar a resolver o problema, boicotando Israel e pressionando o governo para que cumpra os acordos internacionais e para que reconheça os direitos dos palestinos. Este salão em Paris é uma propaganda pró-Israel, caucionada pelos governos francês e israelense.

FOLHA - O senhor não acha que, sendo uma manifestação cultural, o Salão do Livro de Paris e a literatura deveriam estar além dessas questões políticas?
SHABTAI -
Não. Um dos princípios elementares da cultura é promover a paz e não matar pessoas. Não há sentido em falar em cultura quando pessoas estão sendo assassinadas. Muitas vezes, manifestações culturais como esta podem ser usadas para esconder os crimes que estão sendo cometidos. Esse evento em Paris não é um encontro de escritores. Ele será inaugurado pelo presidente de Israel e representantes do governo francês.

FOLHA - O senhor não considera que, entre os israelenses convidados, existam escritores que criticam e se opõe realmente à política de Israel?
SHABTAI -
Não. Acho que nenhum escritor que conheça hoje a realidade de Israel possa ir a Paris e dizer que não colabora ou sustenta, de certa maneira, o governo. O sistema é muito inteligente e o governo quer criar a imagem de que Israel é um estado liberal, democrático. Então, muita gente com boas intenções cai nessa cilada e é manipulada pelo governo.

Veja mais sobre o tema Literatura Israelense:

A montanha azul de Meir Shalev

A trajetória sefardita em O Sr. Máni, de A. B. Yehoshua

Amos Oz to be named 'cultural ambassador'?

A Poesia de Yehuda Amichai

Hannah Szenes (1921-1944): Heroína y poetisa


Nenhum comentário: