Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quinta-feira, 16 de julho de 2009

José Roitberg: ENEM: MEC Pune quem respeita o sábado com cárcere privado


Os artigos sobre Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1

  • FSP online (25/06/2009): Sérgio Malbergier: Vascaínos matam flamenguistas, e o Brasil aplaude: Uso do lulismo ("uma coisa entre flamenguistas e vascaínos" foi como o nosso presidente avaliou inicialmente a gravíssima crise no Irã) para descrever os trágicos acontecimentos naquele país. Quem sabe assim fique mais clara ao petista a vergonhosa posição brasileira na crise, de apoio cego a uma teocracia autoritária e repressora. Seria como se estrangeiros apoiassem cegamente o governo Médici enquanto os companheiros eram mortos e torturados nos porões da ditadura brasileira. É o que Lula faz em 2009. >>> Leia mais, clique aqui.


Destaque 2



JB (16/07/2009)

  • Revelações de um conflito desigual - Pág. 21: Soldados de Israel contam sobre instrução para usar palestinos como escudos humanos. "Abrimos fogo e não fazemos perguntas", lembra um soldado israelense que participou da ofensiva israelense a Gaza, em janeiro, sobre a instrução que lhe foi dada. Ao seu lado, outro acrescenta: "Nos disseram que deveríamos arrasar a maior parte possível da nossa zona". Seguido por outro: "Meu comandante me disse, meio sorrindo meio sério, que essas demolições poderiam ser somadas à sua lista de crimes de guerra". (...) As declarações anônimas dos mais de 25 soldados foram feitas à organização Breaking the Silence (Quebrando o Silêncio), uma instituição de veteranos israelenses contra abusos no Exército. (...) O Exército israelense, no entanto, rebateu as acusações e afirmou em um comunicado que, de acordo com suas investigações, "está claro que os soldados das Forças Armadas israelenses operaram de acordo com as leis internacionais e as ordens que receberam, apesar de combates difíceis e complexos". Na nota militar alega-se ainda que "muitos depoimentos são anônimos e carecem de detalhes que permitiriam ao Exército investigar, confirmar ou rebater os mesmos".
  • EUA dispostos a negociar com talibãs - Pág. 21
  • Megaembaixada iraniana na Nicarágua traz estado de alerta - Pág. 21
  • Crise de identidade no Iraque com saída das tropas - Pág. 23


G1 (15/07/2009)


FSP online (15/07/2009)


Estadão (15/07/2009)

  • Gustavo Chacra (15/07/2009): Israel pode eliminar nomes escritos em árabe de suas placas nas estradas: Já escrevi antes sobre como israelenses e palestinos ignoram o outro lado em mapas. O assunto voltou à tona agora devido à proibição de uma propaganda israelense no Reino Unido em que as fronteiras de Israel com a Cisjordânia, Faixa de Gaza e colinas do Golan não estão claras. No lado palestino, alguns mapas ignoram a existência de Tel Aviv, como se os prédios estilo Bauhaus e as ruas arborizadas desta cidade fossem uma miragem. Jornais de Israel, como o Jerusalem Post, omitem cidades palestinas nos seus mapas de previsão do tempo. >>> Leia mais, clique aqui.


Em Cima da Hora (15/07/2009)


BBC Brasil (15/07/2009)


Pletz (15/07/2009)


Leia mais:


Veja mais:

15/07/2009

14/07/2009

13/07/2009

Nenhum comentário: