Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Nahum Sirotsky: O povo teimoso não mudou


Os artigos sobre Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1

  • El Reloj (20/07/2009): Judaísmo: Una pequeña diferencia: Hay muchas personas que estudian en Tisha BeAv (el ayuno del 9 de Av) las Agadot de la destrucción del Beit HaMikdash (El Templo). A veces, se nos ocurre pensar: ¡Tantos paralelos se pueden encontrarse entre lo que ocurrió en aquel entonces y lo que estamos viviendo hoy en día! Ya sea en el plano moral-social, o casos de corrupción en el gobierno, o en las relaciones entre las personas y en la relación del Pueblo Judío y su D’s. A veces, tal parece que parte de esas Agadot que describen la insensibilidad de la persona para con su prójimo, que pintan con colores negros la célula familiar y la falta de responsabilidad mutua – es como si hubiesen sido escritas para nuestra época. El odio gratuito y las diferencias sociales no nos son extraños, lamentablemente. Nuestro corazón se parte leyendo esas Agadot: ¿Quizás también nosotros nos encontramos – D’s no lo permita – frente a un destino semejante al de los habitantes de Ierushalaim en aquel entonces? >>> Leia mais, clique aqui.


Destaque 2

Youtube / FIERJ


FSP online (20/07/2009)


Último Segundo (20/07/2009)



A internet pode criar confusão – e, com freqüência, por obrigar pressa ao repórter. Há muito movimento em torno das questões do Oriente Médio porém pouca coisa mudando. Obama se comprometeu a promover a paz entre israelenses e palestinos nos próximos dois anos, mas é óbvio o interesse dele de criar condições de diálogo com o Irã.


Se obtidas, vã enfraquecer o esforço dos xiitas do Iraque de mais forte ligação com os xiitas persas, que são maioria, e o poder no Irã. Segmentos do Taleban do Afeganistão e do Paquistão verão um futuro sem apoio dos iranianos e tenderão a se inclinar a entendimentos com os americanos.


Concessões de Israel tenderão a ser entendidas como nova linha de Washington. Obama determinou aos israelenses que suspendam projeto de milionário americano, proprietário da área discutida, da construção de habitações para judeus em bairro de Jerusalém. O governo respondeu que Jerusalém é a capital de Israel, que é quem decide sobre o que convém. A questão do futuro dos territórios ocupados está aberta, mas Jerusalém, não.


Obama nada conseguiu da Coreia do Norte nem do Irã com sua tática. O paradoxo da nossa era é que pressionar pequenos países é mais problemático do que grandes potências se entenderem. São maiores os limites ao uso alternativo de modalidades de força.


Israel é um pequeno país no qual 14 partidos representam a população de seis milhões de judeus e 1 milhão e 500 mil muçulmanos no Parlamento de 120 lugares. O judaísmo tem inúmeras seitas, inclusive uma ultraortodoxa, fundamentalista, que nega legitimidade ao Estado por ter renascido sem a vinda do Messias esperado há milhares de anos. Mas a grande maioria dos judeus é de cidadãos que teimam como o povo escolhido descrito na Bíblia. Para eles, Jerusalém é o que justifica a própria existência. Obama talvez tenha errado na escolha do alvo.



G1 (20/07/2009)


Leia mais:


Veja mais:

20/07/2009

19/07/2009

18/07/2009

17/07/2009


Nenhum comentário: