Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Brasil pede que Irã dialogue com dissidentes

Os artigos sobre Estudos Judaicos e Israel sempre atualizados você encontra aqui.



Destaque 1


Destaque 2


Destaque 3


FSP (16/02/2010)


Brasil pede que Irã dialogue com dissidentes


Ponderação ilustra esforço do Itamaraty para se posicionar como interlocutor neutro entre Teerã e Ocidente em meio a debate nuclear


"De forma educada", fala brasileira no Conselho de Direitos Humanos da ONU recomenda a Teerã proteger direitos de ativistas e minorias


LUCIANA COELHO

DE GENEBRA


O Brasil pediu ao Irã que "dialogue de forma respeitosa com dissidentes e minorias", em seu chamado mais incisivo a Teerã até então. A declaração, feita ontem durante a revisão do país no Conselho de Direitos Humanos da ONU, foi elogiada pelos EUA e por organizações não governamentais, atentos ao poder de persuasão de Brasília sobre o aliado persa.


A reação pode ser lida como sinal de sucesso inicial do esforço do Itamaraty para se equilibrar entre Teerã e as potências ocidentais e ganhar espaço quando o foco internacional está no projeto nuclear do Irã e em possíveis sanções ao país no âmbito do Conselho de Segurança, em Nova York.


Esse cenário geopolítico foi inclusive evocado pelo representante iraniano para direitos humanos, Mohammad Larijani, que atribui a ele a pressão sobre seu governo na questão humanitária -Teerã nega violações sistemáticas.


Por conta do momento delicado, o discurso do Brasil foi "milimetricamente planejado", segundo fontes diplomáticas, em idas e vindas entre Genebra e Brasília. A triangulação envolveu também Nova York e reuniões com aliados.


Para se cacifar como interlocutor neutro, entretanto, observadores advertem que o Brasil terá de voltar a cobrar o aliado no Oriente Médio. Em maio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva visita o Irã, e ativistas pedem que ele se reúna com líderes dissidentes.


"O Brasil tem influência para pressionar por mudança no Irã. Agora é preciso uma leitura crítica dos desdobramentos futuros", disse à Folha Philippe Dam, da Human Rights Watch.


O discurso da embaixadora brasileira, Maria Nazareth Farani Azevedo, foi muito mais comedido que o dos EUA e da França, que defendem sanções contra o Irã pelo programa nuclear, e mesmo do que o dos vizinhos latinos Chile e México.


Mas passou longe dos desvarios de Nicarágua e Venezuela e foi mais claro que a China e a Rússia, países com poder de veto no Conselho de Segurança que os EUA tentam persuadir a votar pelas sanções.


"O Brasil, de forma educada, mas de maneira inequívoca, dialogou com o governo iraniano no conselho e passou ao governo iraniano as mensagens necessárias", disse a embaixadora à reportagem.


Como antecipou a Folha, Azevedo pediu que Teerã dê acesso aos relatores da ONU e recomendou o fim da pena de morte, além da proteção dos direitos de jornalistas e ativistas. Defendeu ainda direitos da minoria religiosa bahá'i -ponto mais repetido nos discursos.


Mas ela evitou usar a palavra "preocupação" e não citou a intensificação da repressão após a eleição do ano passado.


Para as ONGs, a obsessão por tratar um país contra o qual pesam denúncias como "um país como os demais" fragiliza a posição brasileira. "Condenação", por exemplo, não está no léxico diplomático brasileiro para Teerã, dado que o Itamaraty sustenta que "condenar" aliena em vez de engajar.


"Nos preocupa que o Brasil não tenha sido suficientemente enfático e explícito em condenar as graves e sistemáticas violações no Irã", disse Lucia Nader, da Conectas, ressalvando as menções ao fim da pena de morte e ao diálogo com dissidentes como pontos altos.


O que ficou claro ontem é que a aproximação brasileira com Teerã é vista com interesse por diplomatas e ONGs.


O secretário-assistente de Estado para Democracia e Direitos Humanos dos EUA, Michael Posner, elogiou o discurso brasileiro por "levantar uma série de preocupações muito semelhantes às dos EUA" -a Washinton, interessa dizer que tem Brasília a seu lado.



FSP online (16/02/2010)


Estadão (16/02/2010)


Terra (16/02/2010)


G1 (16/02/2010)


Último Segundo (16/02/2010)


Uol Internacional / Mídia Global (16/02/2010)


Aurora Digital (16/02/2010)


Jornal Nacional (15/02/2010)


Deutsche Welle (15/02/2010)


BBC Brasil (15/02/2010)


Leia mais:


Veja mais:

15/02/2010

14/02/2010

13/02/2010

12/02/2010


Nenhum comentário: