Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Israel x Gaza x Oriente Médio (296) .... Em defesa de Israel

O Globo, Mundo, página 26, em 11/02/2009.


Partidos árabes sofrem com a indiferença dos eleitores

Negociador palestino não vê condições para retomada de processo de paz e Hamas prevê novo ciclo de violência


Renata Malkes

Especial O GLOBO • JERUSALÉM


JERUSALÉM. Se o índice geral de comparecimento às urnas surpreendeu até os mais pessimistas, nas aldeias e cidades árabes de Israel os líderes locais tiveram dificuldade em convencer os eleitores a votar.

As projeções, no entanto, mostram que a representação árabe deve ser mantida. As parciais indicam o partido Raam-Taal com quatro cadeiras, assim como o Hadash. O Balad, mais tradicional legenda árabe do país, deve conquistar duas cadeiras. Preocupado com o bloco direitista e o duro golpe sofrido pela esquerda, o deputado judeu Dov Hanin, uma das estrelas do partido comunista Hadash, formado por árabes e judeus, defendeu a criação de uma nova esquerda em Israel: — É fundamental uma nova esquerda, uma alternativa à linguagem da força, da segregação nacional e do capitalismo selvagem.


Nas cidades árabes do norte do país e nas aldeias beduínas do Deserto do Neguev, o mau tempo foi só mais um motivo para que os moradores não votassem.


— Precisamos fazer um exame de consciência, sobretudo os judeus. Como puderam permitir o crescimento de gente como Lieberman? — disse o deputado Ahmad Tibi, do Raam-Taal.


A imprensa palestina acompanhou com interesse. Mas, em Ramallah, TVs que transmitiam a eleição em bares e restaurantes esbarraram na indiferença dos clientes. Para a jornalista Diala Ghassan, cansados, os palestinos preferem não interferir. Ela adverte que o fenômeno do endurecimento, previsto pelas pesquisas em Israel, está em curso também na Cisjordânia: — As pessoas estão cansadas das negociações estagnadas e das decepções com os grandes partidos de Israel.


A última pesquisa de opinião mostra que só aqui, na Cisjordânia, o Hamas já teria 28,6% da preferência do eleitorado, contra 27,9% do Fatah. Temo cada vez mais pelo futuro.


Procurado pelo GLOBO, o portavoz da Autoridade Nacional Palestina, Nabil Abu Rudeina, afirmou que a ANP está disposta a negociar com qualquer governo de Israel. Mas o principal negociador palestino, Saeb Erekat, afirmou que nenhum futuro governo terá condições de retomar o processo de paz. Em Gaza, moradores do devastado território parecem não se importar com o resultado, dizendo que a vida não vai melhorar com o novo governo israelense.


— Todos os partidos israelenses têm o racismo em sua base. Tudo mostra que a sociedade israelense está mais extremista e sonha em expulsar os árabes de sua terra natal.


O resultado será mais um ciclo de violência tanto em Gaza como na Cisjordânia — declarou um dos porta vozes do Hamas , Is mail Radwan.(R.M.)


O GLOBO NA INTERNET GALERIA Veja as imagens do pleito oglobo.com.br/mundo



Beit Chabad (São Paulo, SP)

Em defesa de Israel


Veja mais:

11/02/2009

Nenhum comentário: