Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Israel x Gaza x Oriente Médio (304) .... Hamas utilizó botellas de medicamentos, enviadas desde Israel, como granadas

Estadão (13/02/2009)


FSP (13/02/2009)

Opinião

Mundo


Opinião: São Paulo - Clóvis Rossi: O galope da selvageria


SÃO PAULO - O atentado contra a advogada brasileira Paula Oliveira nas imediações de Zurique é um desses episódios tão bestiais que dá vontade de passar ao largo, fingir que não leu, para não ter que aceitar que a humanidade ainda oferece tal grau de selvageria.


Há dois aspectos no crime. Primeiro, o nítido avanço nos últimos muitos anos da xenofobia, do racismo, do repúdio ao "outro", seja qual for o "outro" da vez. Esse avanço faz com que partidos xenófobos, como o Partido do Povo Suíço, ao qual suspeita-se que pertença ao menos um dos agressores de Paula, acabem entrando no "mainstream", quando eram marginais até faz relativamente pouco tempo.


O caso de Israel talvez seja o mais emblemático: é assustador que a tribo que sofreu a mais cruel perseguição do século 20 ponha no "mainstream", no início do século 21, o partido de Avigdor Lieberman, que prega a limpeza étnica (no caso, dos árabes).


Mas a xenofobia/racismo não explica tudo. Há casos de bestialidade que não têm coloração ideológica. O Brasil é um repositório formidável de episódios do gênero.


O diabo -e aí não é força de expressão- é quando se soma ao racismo a violência que impregna a sociedade.

Durante muito tempo, recusei-me a crer na tese de que a televisão estimula a violência de tanta violência que leva ao ar. Achava que a TV não inventa a violência; mostra o que já aconteceu na vida real. Hoje, não tenho tanta segurança. Banalizou-se a violência, na TV, no cinema, nos videojogos, até em raças de cães que, nos meus tempos de inocência, nem existiam.


A violência, em grau exacerbado, passou a ser, digamos, natural. O que ainda me choca, em certos videojogos, é o normal para meu neto. Que a adolescência da geração dele é mais rica, do ponto de vista material, que a minha, parece óbvio. Mas, do ponto de vista cultural, será que evoluímos?



JB (13/02/2009)


IHU (13/02/2009)


UOL Internacional / Mídia Global (13/02/2009)


Iton Gadol (13/02/2009)


Aurora (13/02/2009)


Público (12/02/2009)


Dr Jim West (12/02/2009)


Terra Notícias (11/02/2009)


Rede Judaica anti-sionista (????)


Veja mais:

12/02/2009

Nenhum comentário: