Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

domingo, 4 de janeiro de 2009

Israel x Gaza x Oriente Médio (36) .... Can the Jewish People Survive Without an Enemy?

Time/CNN

TIME: You argue that the Jewish people are in a state of crisis, partly because of the extent to which the Holocaust dominates contemporary Jewish identity. Can you explain?

Burg: I, like many others, believe that a day will come very soon when we will live in peace with our neighbors, and then, for the first time in our history, the vast majority of the Jewish people will be living without an immediate threat to their lives. Peaceful Israel and a secure Diaspora, all of us living the democratic hemisphere. And then the question facing our generation will be, can the Jewish people survive without an external enemy? Give me war, give me pogrom, give me disaster, and I know what to do; give me peace and tranquility, and I'm lost. The Holocaust was a hellish horror, but we often use it as an excuse to avoid looking around seeing how, existentially, 60 years later, in a miraculous way, are living in a much better situation.


In your book, you raise the question of the purpose of Jewish survival over thousands of years, insisting that Jews have not simply survived for the sake of survival. What is this higher purpose?

Both my parents were survivors — my father ran away from Berlin in September 1939; my mum survived the 1929 massacre in Hebron. So, my family knows something about trauma. Still, my siblings and I were brought up in a trauma-free atmosphere. We were brought up to believe that the Jewish people did not continue in order to continue, or survive in order to survive. A cat can survive — so it's a circumcised cat, so what? It's not about survival; survival for what?

Look at the Exodus: After 400 years of very aggressive oppression and enslavement, all of a sudden the outcry was "Let my people go," and that continues to resonate against slavery everywhere to this day. Then we come to the Sinai covenant, which is a key moment not just for Jewish theology, but for Christian belief as well: The Ten Commandments is the first human-to-human constitution, setting out the relations among humans on the basis of laws. And then you come to the Prophets, and its amazing that they're calling so clearly for a just society. And then, in the Middle Ages, you listen to Maimonides say he's waiting for redemption of the world without oppression between nations. So, in the Jewish story over so many centuries, there has always been a higher cause, not just for the Jews, but for all of humanity.

Even in the Holocaust, the lesson is "Never Again." But this doesn't mean just never again can genocide be allowed to happen to the Jews, but never again can genocide be allowed to happen to any human being. So, the Holocaust is not just mine; it belongs to all of humanity.


You suggest that there's been a turning inward from the universal purpose and meaning of the Jewish experience...

Both the internal and the external hemispheres of the Jewish experience are essential. I cannot envisage my Judaism without the input I got from the external world, be it philosophy, aesthetics, even democracy, which was introduced to the Jews in the last 200 years because of our interface with the the world. On the other hand, I can't imagine my Western civilization and Western culture without the Jewish input, without Jesus Christ, who was born, was crucified and passed away as a Mishnaic rabbinical Jew. I cannot image Christian Europe opening up to modernity without a Maimonides reintroducing Greek philosophy. I cannot imagine modern times without a Spinoza, and Mendelson. I cannot imagine the 20th century without Marx and Freud. So, this conversation between Jews and the world is not just a conversation of pogroms and slaughter and Holocaust; it's also a couple of thousand years of a conversation that enriched me and enriched them, and I don't want to give that up.


Your book argues that the centrality of the Holocaust in Israeli identity is dysfunctional...

The Holocaust is a very real trauma for many people in Israel, and nobody can argue with that. But ... when I hear someone like Benjamin Netanyahu, who is a very intelligent person, say of [Iran's President Mahmoud] Ahmadinejad, "It's 1938 all over again," I say, is it?! Is this the reality? Did we have such an omnipotent army in 1938? Did we have an independent state in 1938? Did we have the unequivocal support in 1938 of all the important superpowers in the world? No, we did not. And when you compare Ahmadinejad to Hitler, don't you diminish Hitler's significance?

The sad thing is that whenever a head of state begins a visit to Israel, he doesn't go to a university or to the high-tech sector or the beautiful cultural places we have in Israel; first you should get molded into the Israeli reality at [the Holocaust memorial] Yad Vashem. And I do not think that Yad Vashem should be the showcase or the gateway through which everybody should first encounter Israel. Part of the program, yes; but the starting point? This is not the way to baptize people into an encounter with Judaism.


You argue that the purpose of the Yad Vashem visit is to silence criticism...

It's an emotional blackmail that says to people, this is what we have experienced, so shut up and help us... When the sages created the national holiday of Tisha Be'av, they made it the single day on which we commemorate all the traumas of our history, from the destruction of the first temple to the Spanish expulsion. These events did not all happen on this exact date; the founders of Jewish civilization confined the memory of the traumas of our history to one day, to allow us the rest of the year to get on with being Jewish, rather than letting sorrow take over our entire existence...

Look where we were 100 years ago and look where we are today — no other people made this transformation. Imagine we did not keep the shadow of the trauma looming over ourselves daily, what could we have been? How come 25% of the Nobel laureates in certain fields are of Jewish origins, and 10% of the arms deals around the world are done by Israelis? Why is my brother or sister in America a great poet or composer or physician whose achievements raise up all of humanity, and I who live here on my sword became a world expert on arms and swords? Is that really my mission, or is that an outcome of the black water with which I water my flowers? To make our contribution to humanity, we have to free ourselves of the obsession with the trauma.


Many Jews, in Israel and in America, see Israel as surrounded by deadly threats, and would see the benign and peaceful world you describe as a dangerous fantasy. What do you say to your critics?

I have very low expectations of new thinking and insight emerging from the mainstream Israeli and Jewish establishment. Their role is to maintain the status quo. Israel is bereft of forward thinking. We are experts at managing the crisis rather than finding alternatives to the crisis. In Israel you have many tanks, but not many think tanks. One of the reasons I left the Israeli politics was my growing feeling that Israel became a very efficient kingdom, but with no prophecy. Where is it going?

My idea of Judaism can be represented through a classic Talmudic dilemma: You are walking along by the river and there are two people drowning. One is Rabbi [Meir] Kahane, and the other is the Dalai Lama. You can only save one of them. For whom will you jump? If you jump for Rabbi Kahane because genetically he's Jewish, you belong to a different camp than mine, because I would jump for the Dalai Lama. As much as he's not genetically Jewish, he's my Jewish brother when it comes to my value system. That's the difference between me and the Jewish establishment in Israel and America.


But how can this new thinking you're advocating help Israel solve its security problems?

Many people say to me, "What about Gaza? Don't have so much compassion for them, don't tell the Israelis to be nice there, tell [the Palestinians] to be nice there. And I say Gaza is a nightmare, and it's a stain on my conscience. And I'm very troubled by the attitude of Israelis against Israeli Arabs. It's a shame. It's a black hole in my democracy. But I say sometimes that I'm too close to the reality; I don't have the perspective; I don't have the bigger picture. But if enough of my kids and enough of my youth will go to volunteer, be it in Darfur or be it Rwanda, or be it in the squatter camps of South Africa, they will sharpen their sensitivities. And they will come back and say, listen, if we can do so much good out there, let's do something over here. And I see my own kids, when they come back from India and from Latin America, how changed they are as people. I see my son, after one and a half years in Latin American. He came home, and five days later, was called for 30 days "miluim" service [with his military unit] in the West Bank. And he was sitting in the worst junction in the West Bank. And he says, "When I look around me 360 degrees, nobody loves me. Settlers, Kahanes, rabbis, mullahs, Hamas, Palestinians, you name it — they all hate me. And he told me, "Here I was sitting on a corner one day; it was my break time, and I was drinking coffee with a friend of mine, and out of the valley climbed an old Arab. He was very bent forward and frail, and walked slowly to us and said 'Here is my ID.' And we told him, you don't have to give us your ID; we didn't ask for it. And he said 'No, here it is, I want you to look at it. Look at it, I'm okay, I'm kosher, I'm kosher.' I checked it and let him pass, and then I began crying and crying."

So, I asked my son, why did you cry, what happened? And he said, "You don't understand that for a year and a half, I was in Latin America, going to small villages and sitting with this kind of man, listening to their oral tradition, to the beauty of their history, to the wisdom of their culture. And they shared it with me. And now here I am, the policeman, here I am the bad guy, here I am the occupier. And I can't talk to this man. You know how much he could tell me under different circumstances?" And I say, that's an example for me.


Publicações

FIERJ / Informe FIERJ 404, em 29/12/2008

  • Atenção: Comerciais do Hamas 24-28 dezembro de 2008: Foram divulgados comerciais da TV Al-Aqsa, a TV do Hamas que começaram a ir ao ar no dia 24 de dezembro, véspera do Natal, 4 dias antes do ataque de Israel e incentivavam a guerra, a transformação das cidades israelenses em ruínas e "despedaçar os judeus..." Legendamos este material que a mídia em geral está sonegando mostrando Israel com um agressor e não como alguém que está claramente se defendendo de um ataque que era iminente, no estilo do que foi o do Hezbollah ao norte na última guerra.
Curiosidade: Israel e Hamas engrossam o discurso e tensão aumenta no Oriente Médio: Hamas já lançou mais de 60 foguetes contra Israel em quatro dias. Governo israelense avisou a ONU que irá responder ataques. >>> Leia mais em G1, em 22/12/2008.


FIERJ / Haaretz

  • Ashkelon hospital moves its essential departments underground: A situação em Ashkelon é tão grave que as alas de maternidade e atendimento a idosos do hospital Barzelai foram removidas para os bunkers do hospital. A cidade também está sendo atingida por foguetes militares Katiusha (INFORME FIERJ 404, em 29/12/2008).
Barzilai Hospital put emergency plan into operation in wake of air Israeli strikes on Gaza. Fearing missile strikes from the Gaza Strip, Ashkelon's Barzilai Hospital on Saturday moved its most essential departments into an underground bomb shelter. The hospital in this city of 120,000 people about 17 kilometers (11 miles) north of the Gaza border has sent half its patients home to get them out of harm's way. Those remaining have been placed in cramped rooms previously used for storage.

In February, a rocket from Gaza landed adjacent to the hospital's helicopter pad and in May a rocket crashed into a busy shopping mall in the city, injuring 14 people.

After Israel an air offensive against Palestinian militants in Gaza on Saturday, Barzilai put its emergency plans into operation. >>> Leia mais, clique aqui.


O Globo

Aish.com

Palestian Media Watch

O site Palestinian Media Watch tem como objetivo a monitoração da mídia palestina.

The Wall Street Journal

BBC

Ancient Hebrew Poetry (J. Hobbins)

Peroratio

Aurora

Yahoo News

BBC Brasil

Carta Maior

G1

Deutsche Welle

Terrorismo

Laboratório Tempo/IFCS/UFRJ

  • Mapa Terrorismo
  • O Projeto GAATI: O GAATI - Grupo de Acompanhamento e Análise do Terrorismo Internacional - criado em julho de 2004, no âmbito do Laboratório de Estudos do Tempo Presente/TEMPO/UFRJ - dedica-se ao estudo e debate do terrorismo oriundo da organização de diversos movimentos "mujjahidin" (inicialmente conhecidos como “afegãos” ou "al-afegani" ). O GAATI busca investigar o fenômeno que nas últimas décadas entrou para a agenda das Relações Internacionais como uma constante preocupação, chegando a pautar, a partir de 11/09/2001, a formulação da política externa e de defesa de importantes países, como Estados Unidos e Federação Russa. A criação do The World Map of Terrorist Attacks corresponde à iniciativa deste grupo de disponibilizar, de forma inovadora, dinâmica e sempre atualizada, informações coletadas sobre atentados terroristas que ocorram ao redor do mundo. O mapa permite uma visualização ampla dos fenômenos (a partir de 1991), na medida em que não somente marca o local, mas consolida outros aspectos - como número de mortos, o meio empregado para o ataque ou a organização responsabilizada ou autora do atentado - dos eventos. Assumimos a amplitude do projeto, cientes de eventuais falhas, com a disposição de facilitar as pesquisas e informações sobre o moderno terrorismo de massas. Assim, além do terrorismo "mujjahidin", estaremos dando atenção a outras formas de terrorismo, tais como a ação das máfias e do crime organizado, o terrorismo de extrema direita (neofascismos) e as ações de Estados ("Outlaw States", "Rogue States") capazes de caracterizar formas de terrorismo dito "de Estado".

Estadão

UOL Notícias

FSP

SAID MOURAD

ESPECIAL PARA A FOLHA


Às vésperas de um Ano Novo, prenúncio de bons votos, o Oriente Médio mergulhou em nova onda de insanidade. Um ataque arrasador de Israel causou a morte de centenas de pessoas na faixa de Gaza. Inclusive crianças, mulheres e idosos.


Na verdade, esse ataque causou muito mais vítimas do que os mortos de Gaza. Para começar, ele atinge em cheio milhões de palestinos de Gaza, da Cisjordânia e da diáspora, junto com seus sonhos de levar uma vida normal, só isso, em seu próprio Estado.


O massacre atinge também todo o mundo árabe, solidário aos palestinos de Gaza, atacados apenas poucos meses depois de uma outra agressão israelense, daquela vez ao Líbano. Vítimas também são as centenas de milhões de muçulmanos, que sangram um pouco mais a cada morte na faixa de Gaza. Sem esquecer que os bombardeios israelenses acontecem pouco antes da posse de Barack Obama na Presidência dos Estados Unidos.


O recado de Israel a Obama parece claro: ou a Casa Branca freia o projeto nuclear do Irã, que tem sólidas ligações com o Hamas palestino, ou os israelenses podem fazer em território iraniano a mesma barbaridade que vêm cometendo contra Gaza. Pode parecer estranho, mas vítimas também do ataque são os próprios israelenses e os judeus de todo o mundo. Sim, porque, a propósito de combater o terror, Israel bombardeia os esforços de dirigentes palestinos favoráveis a uma paz duradoura no Oriente Médio.


Ninguém que defenda a coexistência pacífica entre árabes e israelenses pode ser favorável ao disparo de foguetes desde Gaza contra cidades de Israel.


Mas as dimensões gigantescas da reação israelense certamente farão com que vozes favoráveis à paz se sintam cada vez mais intimidadas.


A consequência é previsível.


Os palestinos e seus aliados irão usar todos os instrumentos ao seu alcance para resistir. E se vingar. É evidente que presenciaremos uma nova onda de violência também contra os israelenses. Muitas vezes, civis inocentes; tão inocentes como as dezenas de crianças, velhos e mulheres que morrem a cada dia na Gaza indefesa.


Mas por que digo que os judeus de todo o mundo também são vítimas dos bombardeios israelenses? Porque é compreensível que eles terminem sentindo efeitos compreensíveis (embora não aceitáveis) do ódio dos árabes e muçulmanos de todo o mundo.


Trata-se de um prato cheio para quem prega o rancor como método de ação política. O "ataque contra o terror" em Gaza certamente está fazendo com que os mestres terroristas esfreguem as mãos de contentamento: eles são os maiores aliados de Israel, ambos engajados em destruir qualquer possibilidade de paz no Oriente Médio.


Muita gente aqui nos trópicos talvez comente, com um certo desdém: "Eles que se matem. Não temos nada a ver com isso". Temos -e muito.


Sou brasileiro, descendente de árabes, muçulmano, representante do povo paulista, torcedor do Corinthians e pai de uma menina recém-nascida. Orgulho-me da convivência pacífica construída por católicos, evangélicos, muçulmanos, judeus espíritas e umbandistas em meu país.


Mas temo que a intolerância reforçada pelo bárbaro ataque de Israel e a opressão ao povo palestino estimulem cada vez mais a intolerância. Uma intolerância que, cedo ou tarde, chegará até nós. O Brasil foi o único país latino-americano convidado a participar da Conferência de Annapolis, nos EUA, em 2007, que tentou retomar os esforços por uma paz duradoura no Oriente Médio. O presidente Lula tem feito grandes esforços para ampliar a presença brasileira no cenário geopolítico.


É fundamental que o Brasil, reconhecido pela tolerância e pelo equilíbrio, adote uma posição firme contra essa insanidade, condenando e agindo para frear a agressão israelense aos palestinos da faixa de Gaza. Muçulmanos, palestinos, israelenses e brasileiros de todas as origens agradecerão.


SAID MOURAD, engenheiro civil, é deputado estadual pelo PSC-SP

Qual é a situação de Gaza?

O território, sob controle egípcio entre 1948 e 1967, foi ocupado por Israel há 41 anos. Em 2005, Israel retirou seus colonos e tropas de Gaza, mas manteve o controle das fronteiras terrestres e marítimas do território. Em 2007, depois que o grupo islâmico Hamas expulsou de Gaza os rivais do partido secular Fatah, Israel e Egito impuseram um bloqueio econômico à região.


Por que o Hamas controla Gaza?

O grupo islâmico, contrário aos acordos entre Israel e as lideranças do Fatah, venceu as eleições legislativas de 2006 em Gaza e na Cisjordânia. A Cisjordânia está sob ocupação israelense desde 1967, com autonomia limitada exercida pela ANP (Autoridade Nacional Palestina), criada após os Acordos de Oslo com Israel, em 1993.

A eleição de 2006 dividiu a liderança palestina. O Hamas assumiu a chefia do gabinete, mas a Presidência da ANP continuou nas mãos de Mahmoud Abbas, do Fatah.

O gabinete dirigido pelo Hamas foi boicotado por Israel e as potências ocidentais. Abbas se recusou a ceder ao Hamas o comando das forças de segurança. A crise política resultou em conflito armado que levou à expulsão do Fatah de Gaza. Diálogo para um governo de união nacional, mediado por Qatar, fracassou sob pressão dos EUA.


Por que a trégua entre Israel e o Hamas fracassou?

A trégua foi acertada em junho, por intermédio do Egito. Nenhum dos lados cumpriu estritamente seus termos. Foguetes continuaram a ser lançados de Gaza, embora de forma bem mais esporádica, e Israel não liberou o fluxo de mercadorias para a região.

A tensão recrudesceu depois de 4 de novembro, dia da eleição nos Estados Unidos, quando Israel bombardeou um túnel em Gaza que supostamente seria usado pelo Hamas para sequestrar soldados .


Qual a posição dos países árabes no conflito?

Os governos árabes têm posição dúbia. A maioria apoia o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, contra o Hamas, temendo a influência do grupo sobre radicais em seus países. Mas sofre pressão popular para reagir a Israel. Apenas dois países árabes, Egito e Jordânia, têm relações diplomáticas com Israel. Em 2002, a Liga Árabe lançou a Iniciativa de Paz prometendo normalizar relações com Israel em troca da desocupação de Gaza, da Cisjordânia, de Jerusalém Oriental e das colinas sírias de Gola


Analistas dizem temer que o silêncio do presidente eleito sobre Gaza mine boa vontade entre árabes e muçulmanos


Ofensiva de Israel pode fortalecer ideia de que novo presidente deva cuidar do desafio iraniano antes da questão israelo-palestina


ANDREA MURTA

DE NOVA YORK


Quando o assunto é o abismo econômico em que se meteu os EUA, o presidente eleito Barack Obama não espera até a posse, no próximo dia 20, para apresentar estratégias de ação. O caso da ofensiva israelense em Gaza, porém, desperta reação diferente: sua equipe adere ao mantra "só temos um presidente de cada vez", repetido após a invasão de ontem, irritando a opinião pública árabe e preocupando os que esperam uma nova abordagem da política para o Oriente Médio.


As pressões partem principalmente de analistas da esquerda americana. Eles alertam que o silêncio atual não ajuda Obama a construir a confiança necessária para avançar as negociações de paz entre Israel e os palestinos.


"Negligenciar o engajamento neste estágio crítico envia a mensagem errada sobre a seriedade com a qual Obama perseguirá um "papel ativo" [no conflito]", escreveu o comentarista John Nichols na revista esquerdista "The Nation".


"Suas opções são limitadas, assim como sua oportunidade de fazer a diferença e sinalizar um novo começo. Ele pode ter apenas uma chance", afirmou o colunista Simon Tisdall no jornal britânico "The Guardian".


Fora dos EUA, as críticas ecoam entre palestinos e seus simpatizantes. Na sexta, a liderança do Hamas mostrou que tentará tirar proveito político do silêncio de Obama. "O senhor começa mal", disse Khaled Meshaal, líder do grupo em Damasco. "Condenou os ataques em Mumbai [Índia], mas não diz nada enquanto centenas de palestinos são mortos. Ocidente, estamos cansados de ver dois pesos, duas medidas."


Enquanto isso, grupos judaico-americanos, como o Israel Project e o Aipac (Comitê Americano de Assuntos Públicos de Israel), se apegam à fala de Obama na cidade israelense de Sderot, que visitou em julho. Na ocasião, ele afirmou que, "se estivessem jogando foguetes na casa em que minhas filhas dormem, eu faria tudo a meu alcance para pôr um fim a isso".


Ordem de prioridades

A escolha sobre em que assuntos se meter antes de chegar ao poder não foge à ordem de prioridades do público americano. Em pesquisa recente do "Washington Post" e da rede ABC, dois terços põem a economia em primeiro lugar, enquanto a política externa teve menos de 1% dos votos.


Em pergunta apenas sobre política externa, a questão israelo-palestina ficou no fim de uma lista de 12 itens de importância para os EUA.


"Politicamente, não há vantagem em abordar [o conflito] agora", disse ao "Post" G. Calvin MacKenzie, professor de governo do Colby College. "Não há boas notícias aí." Ainda que seja terreno perigoso, para o mundo muçulmano a inação de Obama cheira a "mais do mesmo".


Durante a campanha, ele mostrou progressivo viés pró-Israel à medida que se aproximava a eleição. Horas depois de assegurar a candidatura democrata, em junho, Obama disse na Aipac que Jerusalém, cujo setor oriental é reivindicado pelos palestinos como sua futura capital, deve ser a "capital indivisível" de Israel. Muitos árabes consideraram o discurso um "tapa na cara", como classificou na época um jornal do Kuait.


Obama também prometeu "garantir que Israel possa se defender de qualquer ameaça -de Gaza a Teerã".

Hillary
Nesse ponto, ele contará com uma secretária de Estado ainda mais contundente. Hillary Clinton, quando ainda disputava com Obama a candidatura democrata, disse que o Irã seria "destruído" se atacasse Israel.


Seu histórico no tema é misto. Quando primeira-dama, Hillary apareceu ao lado da mulher do líder palestino Iasser Arafat (1929-2004) em Ramallah, na Cisjordânia. Também defendeu o Estado palestino antes de esta ser a política oficial da Casa Branca.


Mas os palestinos não comemoraram quando Obama indicou a substituta de Condoleezza Rice. Tampouco foi motivo de festa a nomeação de Rahm Emanuel -defensor de Israel- para chefe-de-gabinete (equivalente a chefe da Casa Civil).


Obama contou no passado com assessores menos pró-Israel, como Zbigniew Brzezinski (que foi assessor de Segurança Nacional de Jimmy Carter) e Robert Malley (membro da equipe de segurança nacional de Bill Clinton). Mas, segundo o site Politico, a situação em Gaza "pode fortalecer a influência de conselheiros mais agressivos, que afirmam que o primeiro passo para a paz no Oriente Médio deve ser isolar o Irã, e não negociar com palestinos e israelenses".


Obama ainda tem tempo para se engajar no problema antes da posse. A seu favor estão uma alta popularidade, inclusive entre muçulmanos, e a fadiga do governo Bush. Não faltam sugestões de especialistas de esquerda. "Não é o caso de defender lançamentos de foguetes, mas reconhecer que seu poder limitado de matar deve ser comparado à força de resposta de Israel" afirmou em artigo o jornalista Sandy Tolan.


"Ele precisa culpar Bush por sua incrível recusa em se envolver [no começo de dezembro], quando o Hamas
indicou que acabaria com o cessar-fogo", disse o comentarista Richard Dreyfuss em seu blog.



BORIS BER

ESPECIAL PARA A FOLHA


Mais uma vez, o Oriente Médio mergulha na violência e atravessa um trágico capítulo de sua história recente, infelizmente marcada até hoje pela intolerância e pela sobrevivência de ideias como a da destruição de Israel. Mais de seis décadas depois da decisão da ONU sobre a Partilha, grupos como o Hamas ainda defendem o fim do Estado judeu e fazem a região viver novas explosões de violência, como o conflito dos últimos dias.


Lamentavelmente todo este episódio retarda o processo para a paz na região, o que só pode ser conseguido mediante o desejo verdadeiro de diálogo entre israelenses e palestinos. Entretanto, há que reconhecer também o direito do Estado de Israel de, legitimamente, se defender de ataques terroristas da milícia do Hamas. Desde 2005, Israel se retirou de Gaza, dando autonomia completa à Autoridade Palestina para que ali exercesse sua liderança.

O fato é que, a partir de 2006, essa mesma Autoridade Palestina foi expulsa progressivamente da região, que foi dominada pelo Hamas, definido tanto pela União Europeia como pelos Estados Unidos como um grupo terrorista.


Para que o diálogo possa existir entre Israel e o Hamas, três condições são fundamentais: o reconhecimento pelo Hamas do Estado de Israel, o compromisso de dar seguimento a acordos previamente estabelecidos entre Israel e os palestinos em gestões anteriores e o final da violência. Em nenhum desses pontos houve qualquer sinalização positiva. Muito pelo contrário, pois o Hamas insiste num ponto único, a destruição do Estado de Israel.


Desde 2000, mais de 1.100 pessoas em Israel foram assassinadas pelo terrorismo. A faixa de Gaza se transformou também, nas mãos do Hamas, numa base para o lançamento de foguetes e morteiros contra a população civil israelense.


Apenas em 2008, foram disparados mais de 2.500 projéteis contra cidades do sul de Israel, como Sderot, que vive sob a ameaça permanente dos ataques terroristas.


As últimas semanas foram marcadas pelo fato de o Hamas anunciar o fim do cessar-fogo que durava seis meses e por disparos frequentes de morteiros e foguetes contra civis israelenses. As tentativas de diálogo para que isso fosse interrompido se revelaram absolutamente infrutíferas. Frente a essa situação, Israel não teria alternativa que não a de defender seus cidadãos e exigir que seus vizinhos tenham um comportamento de convívio adequado.


Muitos argumentam que existiriam alternativas não militares para Gaza. De fato, concordamos com isso, desde que os próprios palestinos que ali vivem decidam entre querer um convívio de diálogo e de mútua aceitação ou se preferem uma postura beligerante e extremista como a do grupo terrorista Hamas, que prega a destruição do Estado judeu.


Desejamos que o diálogo seja imediatamente restabelecido e a paz, alcançada. Lamentamos intensamente que, mais uma vez, vidas sejam perdidas. Sonhamos com um processo de paz por meio do qual seja possível garantir um futuro de harmonia e de prosperidade a israelenses e palestinos.


Israel deseja um Oriente Médio marcado pela convivência harmônica, pelo desenvolvimento e pela democracia, não pela intolerância e pelo terror.


O governo israelense rejeitou aceitar passivamente que atitudes que preguem a destruição de um Estado continuem a ser responsáveis pelo terrorismo.


Israel, assim como todas as nações, tem o direito de se defender. E sem abrir mão de sua histórica aspiração pela paz.


BORIS BER é presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo


Análise: Depois deste conflito, atenção se voltará ao Irã


ANNE PENKETH

DO INDEPENDENT


O relação de Teerã com o Hamas pode aumentar o apoio na opinião pública israelense a um ataque militar ao Irã, cujo programa nuclear é visto como uma ameaça "existencial" ao Estado judeu. O assalto a Gaza reviveu a ideia de que por trás do conflito no Oriente Médio está o maior desafio internacional a Barack Obama neste ano: conter as ambições nucleares do Irã, que podem mudar o equilíbrio estratégico [hoje, Israel é o único país do Oriente Médio que possui armas nucleares].


A questão é quanto tempo vai demorar para o Irã produzir urânio enriquecido suficiente para construir uma arma. Se decidir pela via militar, o Irã ou teria que construir uma usina clandestina (o que inspetores da ONU não detectaram) ou expulsar os inspetores.


Como observa Mark Fitzpatrick, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, "ser capaz de enriquecer urânio não é o mesmo que ter uma arma".


Segundo estimativas do Instituto Internacional para a Ciência e a Segurança, o Irã já produziu 425 quilos de urânio com baixo enriquecimento, o suficiente para fazer a metade dos 20 a 25 quilos de urânio com enriquecimento capaz de municiar uma bomba suja. O Irã poderia produzir o total de 700 a 800 quilos de urânio necessário em meses.


Mesmo que o Irã chegue a produzir uma arma atômica, porém, "não há nenhuma garantia de que seus mísseis são capazes de lançá-la", diz Paul Ingram, analista britânico independente.


Mas Israel pode avaliar que seus interesses estratégicos estarão em jogo uma vez que o Irã passe a ter a capacidade de produzir a bomba, o que representará uma crise para Obama. Mas mesmo os EUA parecem contemplar a possibilidade de conviver com um Irã nuclearizado. O jornal israelense "Haaretz" disse que Obama ofereceria a Israel um "guarda-chuva" contra a ameaça de um ataque iraniano, ameaçando com uma resposta devastadora.


Ativista cuja filha foi vítima de foguete em Israel elogia ideia do Brasil de incluir mais países em negociações de paz


"Farei o que puder para que outros pais, israelenses e palestinos, não tenham que enterrar seus filhos", diz o paulista Natan Galkovitz


DO ENVIADO ESPECIAL A JERUSALÉM

Tocado de forma trágica pelo conflito entre israelenses e palestinos, o paulista Natan Galkovitz mantém a esperança no diálogo, mas acha que é hora de trocar os intermediários. Desde que sua filha foi morta por um foguete perto da fronteira com Gaza, em 2005, ele busca mobilizar atenções pelo mundo para combater o fanatismo e ajudar outras vítimas do terror.


Há poucos dias, enviou uma mensagem para o ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, elogiando a ideia brasileira de ampliar o grupo de mediadores do processo de paz. Desde 1979 em Israel, onde chegou com 27 anos, ele também se ofereceu para compartilhar sua experiência como vítima do conflito.


"Eu sei o que é perder uma filha, ir para o hospital e reconhecer um corpo no necrotério. Não desejo isso para ninguém", disse Natan à Folha. "Por isso farei o que puder para que outros pais, israelenses e palestinos, não tenham de enterrar mais seus filhos."


Sua vida mudou para sempre no dia 14 de julho de 2005, quando a filha Dana, 22, foi morta pelo impacto direto de um morteiro lançado por extremistas de Gaza. Desde então, Natan tem se dividido entre o restaurante de comida brasileira que mantém no kibutz (comunidade agroindustrial) Bror-Hail, a poucos quilômetros de Gaza, e o ativismo pelo fim da violência.


No ano passado, ajudou a arrecadar US$ 1 milhão para vítimas do terror. Além disso, dá palestras e escreve cartas para governos estrangeiros, especialmente aqueles que estão fora do círculo atual de negociação do processo de paz. Sua meta coincide com a proposta recente do presidente Lula, de "arejar" as conversas, com a inclusão de novos participantes.


Papel do Brasil

"Os Estados Unidos não servem mais como mediadores porque perderam completamente a credibilidade entre os árabes", diz Natan. "Por isso precisamos trazer mais países para a mesa de negociação, sobretudo países neutros como Brasil, Índia e México."


Para Natan, o Brasil deveria ir além e preparar um documento com propostas para avançar o processo da negociação de paz entre israelenses e palestinos. "Eu sei que o Brasil historicamente não tem influência na região", reconhece. "Mas a vantagem é que é bem-visto pelos dois lados."


O restaurante que abriu em 2006 no Bror-Hail, conhecido como o kibutz dos brasileiros, foi uma das formas que encontrou de homenagear a filha, que tinha dupla cidadania. "No restaurante eu continuo preparando tudo o que ela gostava, como feijoada e estrogonofe."


Embora creia que a ofensiva israelense era "inevitável" para responder aos mísseis do Hamas, Natan teme que a "incompetência" do governo israelense impeça que ela se transforme em segurança e leve a uma solução política.


E não tem dúvidas de que a campanha eleitoral está tendo influência sobre as decisões militares. "O governo israelense só pensa nas eleições, e isso está prejudicando os dois lados. Sem a colaboração da comunidade internacional, esse conflito não terá solução."


No kibutz Zikim, também no raio de alcance dos foguetes de Gaza, um outro brasileiro concorda com Natan. Marc Levi, 60, diz que o Hamas é uma "organização problemática", pois não reconhece o direito de existência de Israel, mas que não há solução militar para o impasse.


"Temos de usar essa operação para obter facilitar uma solução política", diz Levi, que considera inevitável uma eventual negociação com os fundamentalistas. A conversa por telefone com a Folha é interrompida pelo som de uma sirene, anunciando a iminente queda de mais um foguete. "Essa é a nossa rotina", diz Levi, em um tom resignado. (MARCELO NINIO)


FSP online

As informações são de Marcelo Ninio, correspondente da Folha, que está em Sderot. A cidade fica a pouco mais de um quilômetro do local onde acontecem as operações.

Embora não admita oficialmente, o Exército israelense considera a queda do Hamas o desfecho ideal dessa operação. Segundo o jornalista, isso fica claro pelos comentários de alguns membros do governo, que querem aproveitar essa ofensiva para se livrar de um regime que não reconhece Israel.

"Mas isso é só o objetivo maximalista. Os mais pragmáticos sabem que para derrubar o Hamas não basta disparar mísseis do ar. Seria preciso reocupar a faixa de Gaza, o que implica em custo político e militar que pouquíssimos israelenses estão disposto a pagar", declara Ninio.

Por isso, diz o correspondente, Israel entrou na faixa de Gaza com as expectativas reduzidas. O objetivo era neutralizar o poder de fogo do Hamas e obrigar os fundamentalistas a aceitar uma trégua em posição de fraqueza.
"É difícil ainda estimar até que ponto a capacidade de resistência do Hamas foi atingida, porque a imprensa continua impedida de entrar em Gaza. É certo que, depois de mais uma semana de bombardeio, o golpe foi duro. Mas a grande questão é se foi duro o suficiente para que o Hamas se renda às condições de Israel", diz o jornalista.

Gaza continua sendo bombardeada pesadamente e a população civil, acuada, sofre escassez de suprimentos básicos. Os foguetes do Hamas ainda caem em cidades israelenses da fronteira, como Sderot, o que obriga constantes corridas para os abrigos antiaéreos, relata Ninio.

Segundo ele, o Exército de Israel afirma que a ofensiva pode durar semanas. Isto, porém, também faz parte de uma tática de intimidação que existe em toda guerra. "Com o aumento da pressão internacional, a partir dessa semana, para que haja uma trégua, não deve restar muito tempo para que Israel alcance seus objetivos", conclui o correspondente.


Haaretz

Jerusalem Post

Veja mais:


Nenhum comentário: