Nosso Blog é melhor visualizado no navegador Mozilla Firefox.

Pesquisar este blog

Carregando...

Total de visualizações de página

Google+ Followers

Follow by Email

Perfil

Rio de Janeiro, RJ, Brazil
Cláudia Andréa Prata Ferreira é Professora Doutora - Categoria: Associado III - do Setor de Língua e Literatura Hebraicas do Departamento de Letras Orientais e Eslavas da Faculdade de Letras da UFRJ.

Translate

Seguidores

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Israel x Gaza x Oriente Médio (74) ....Intolerância e ódio (Bernardo Sorj)

O Globo, Opinião, página 7, em 09/01/2009.


Intolerância e ódio

BERNARDO SORJ


O contexto histórico do conflito de Gaza, de dois povos lutando por um mesmo território, é um drama humano que não pode ser explicado nem resolvido usando esquemas ideológicos.


Somente o diálogo e a negociação poderão encontrar uma solução política que dê ponto final aos erros acumulados pelos líderes de ambas as partes, e que terminam resultando em guerras periódicas.


Entendo a simpatia de alguns com os palestinos e a preocupação de outros com a segurança de Israel.


Mas em nenhum dos dois casos é aceitável o apoio acrítico a líderes radicais, sejam israelenses que não se dispõem a devolver os territórios conquistados, sejam palestinos que sustentam um programa político que propõe a destruição do Estado de Israel.


Quem quer entender o atual conflito em Gaza e está preocupado em contribuir para uma agenda de paz, deve abandonar visões simplistas, maniqueístas, onde um lado representa o bem e o outro lado, o mal. A pergunta que devemos nos colocar, nós que temos a sorte de estar longe da zona de guerra, é o que pode ser feito para avançar a causa da paz.


Infelizmente, muitos intelectuais e partidos instrumentalizam o conflito para avançar suas a próprias agendas políticas. Que agenda é essa? A de atacar o grande inimigo, os Estados Unidos, e todos aqueles que são definidos como seus associados.


Trata-se de uma agenda que nada tem a ver com a preocupação efetiva com o sofrimento humano, pois esses intelectuais e organizações nada fizeram frente a massacres gigantescos. Seja em Chechênia, Sudão, Curdistão, Tibete, Ruanda, nossos intelectuais “engajados” se calaram.


Para eles os direitos humanos só devem ser defendidos se eles se encaixam no marco da ideologia política.


Quem quer a guerra vê o demônio no outro. Sempre lutei contra aqueles que procuravam assimilar Arafat a Hitler e o movimento palestino, ao nazismo. Hoje devo enfrentar aqueles que procuram associar o Estado de Israel ao nazismo. Trata-se de uma mentira deslavada. Hitler exterminou sistematicamente todos os judeus, sejam cidadãos alemães ou aqueles que se encontravam nos territórios ocupados pela Alemanha nazista. Quando finalizou a guerra que criou o Estado de Israel, em 1949, lá viviam 120.000 árabes, e hoje são mais de um milhão. O número de refugiados palestinos era aproximadamente de 500.000, hoje eles e seus descentes somam mais de 4 milhões.


As palavras não são ingênuas.


Não se trata de negar o sofrimento pelo qual passou e passa o povo palestino.


Mas não desvalorizemos os fatos históricos, e lembremos, sobretudo, que desumanizar o adversário é o primeiro passo para justificar a sua destruição.


O Partido dos Trabalhadores fez uma declaração pública relacionando Israel com o nazismo, argumentando que nos ataques israelenses morreram civis, assim como os nazis também atacaram alvos civis. Como eles certamente não são ignorantes, sabem que isso acontece em todos os confrontos, sem nenhuma exceção, em que o inimigo se mistura à população local, sendo praticamente impossível enfrentá-lo sem baixas civis.


Aclaremos: a questão que estou discutindo não é se o ataque israelense se justifica ou não. A questão é a vontade de associar Israel com o nazismo, pelo uso manipulador de uma analogia. Ela é uma agressão moral para um povo que atravessou o Holocausto. Não sei a razão que os motiva, se antissemitismo mal elaborado ou vontade de atingir indiretamente os Estados Unidos. Mas, certamente, com esse tipo de argumentação, dificilmente eles terão algum papel entre aqueles que procuram avançar a causa da paz na região.


As negociações políticas não são do interesse de extremistas, sejam palestinos ou israelenses. Tampouco de partidos políticos e intelectuais com agendas ideológicas que nada têm a ver com o drama dos povos da região.


O Brasil é um país com imensos problemas sociais, mas em vários sentidos representa um exemplo para o mundo de convivência entre etnias e religiões. Não podemos permitir que um país abençoado pela própria cultura seja contaminado pela intolerância e o ódio.


BERNARDO SORJ é professor de sociologia da UFRJ e diretor do Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.


Revista Época

G1

Jornal da Globo (08/01/2009)

Bom Dia Brasil

  • ONU pede cessar-fogo imediato em Gaza: A crise humanitária em Gaza piora a cada dia. Os ataques israelenses já deixam mais de 760 mortos. Depois de negociações na ONU, o pedido de cessar-fogo. Dos 15 países, apenas os EUA não votaram.

Jornal Hoje

Em Cima da Hora

  • ONU aprova cessar-fogo imediato em Gaza: O Conselho de Segurança da ONU aprovou um cessar-fogo imediato em Gaza, mas os EUA não votaram. A resolução, no entanto, é um documento diplomático e não obriga o fim dos conflitos.
  • Israel ignora cessar-fogo e mantém ofensiva na Faixa de Gaza: O primeiro-ministro Ehud Olmert alegou que a resolução da ONU é impraticável. A correspondente Renata Malkes fala sobre os rumos dos ataques de Israel. O número de mortos chega a 770.
  • Israel mantém ataques à Faixa de Gaza: A ofensiva criou uma grave crise em Gaza. A população sofre com a interrupção da ajuda humanitária da ONU, depois que dois funcionários da organização foram mortos. Faltam remédios e água.
  • Avião da FAB leva ajuda humanitária à Gaza: Um avião da FAB vai levar 14 toneladas de medicamentos e alimentos para a Faixa de Gaza. São produtos de fácil consumo, que não precisam de preparo. A doação é do governo brasileiro.

Globo Notícia

Veja mais:

Nenhum comentário: